Defesa de Maranhão estuda recorrer ao TSE; Cunha Lima se mantém no governo

BRASÍLIA - A defesa do senador José Maranhão (PMDB-PB) estuda recorrer da liminar concedida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), autorizando o governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), a ficar no cargo até que o processo de cassação de seu mandato seja julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Carol Pires, Último Segundo/Santafé Idéias |

Acordo Ortográfico

Segundo o advogado do PCB, partido que ingressou com a ação contra Cunha Lima no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) da Paraíba, Marcelo Waick, os demais profissionais que atuam na defesa de Maranhão se reunião esta semana para fundamentar o pedido. 

Maranhão é o provável sucessor ao governo da Paraíba, uma vez que foi o segundo candidato mais votado no pleito de 2006, quando Cássio Cunha Lima teria distribuído 35 mil cheques nominais a eleitores por meio de programa assistencial mantido pela Fundação de Ação Comunitária, para ganhar votos.

De acordo com Waick, o recurso concedido ao réus é singelo, uma vez que posterga a saída de Lima e Neto do governo do Estado, mas não anula a cassação dos dois. A decisão do TSE era de aplicação imediata, de que tão logo publicada já produziria efeitos. No caso aí, com a decisão nova, ele continua cassado, mas só sairá do cargo quando julgado o embargo, disse.

Por ora, Maranhão não renunciará ao cargo de senador ¿ o que deverá fazer caso assuma o governo da Paraíba. Nesta sexta-feira, ele embarcou para São Luis, onde participará do casamento de sua filha.

Denúncia

Cunha Lima e o vice-governador do Estado, José Lacerda Neto, tiveram os mandatos cassados pelo TSE, que concedeu nesta sexta uma liminar que manterá ambos nos cargos até se exaurirem os recursos do processo. 

Esta semana, o STF rejeitou uma ação impetrada por José Lacerda Neto para que fosse concedido um novo período para a produção de contraprova, rolagem de testemunhas e realização de novas perícias em sua defesa, que garantiu, após o julgamento, que recorrerá da decisão.

Leia mais sobre: cassação

    Leia tudo sobre: cassação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG