Defesa de Gil Rugai pede habeas-corpus ao TJ de SP

A defesa de Gil Grego Rugai, de 25 anos, entrou ontem com um pedido de habeas-corpus junto ao Tribunal de Justiça (TJ) para revogar a nova prisão do ex-seminarista, por ter se mudado sem comunicar a Justiça.

Agência Estado |

O advogado Fernando José da Costa defende que o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a liberdade de seu cliente sem lhe impor nenhuma restrição, em 2006.

O rapaz é acusado de ter assassinado a tiros o pai, o publicitário Luiz Carlos Rugai, e a sua madrasta, Alessandra Troitiño, em março de 2004, no Pacaembu, na zona oeste de São Paulo. Ele nega ter cometido o crime.

O estudante foi preso na terça-feira à tarde, na casa de sua mãe, na Barra Funda. Estou disposto a colaborar, tanto que vim para São Paulo, disse ele, aos policiais, ao ser detido. Logo depois, foi levado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) 2 de Pinheiros. O juiz da 5ª Vara do Júri, Luiz Rogério Monteiro de Oliveira, acatou o pedido de revogação da liberdade provisória do acusado a pedido pelo Ministério Público (MP).

A solicitação da promotora Mildred de Assis Gonzalez se deu em razão de uma matéria veiculada no programa Domingo Espetacular , da Rede Record, que mostrava que, desde março deste ano, Gil Rugai morava na cidade de Santa Maria (RS). O Gil Rugai não tinha necessidade de comunicar a mudança de endereço, porque o STF não lhe impôs restrição alguma (ao libertá-lo), afirmou Costa.

O advogado reclamou que desde a noite da prisão não conseguiu falar com Gil Rugai no CDP 2 de Pinheiros. A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informou que vai apurar junto à Direção da Unidade os motivos que impossibilitaram a visita do advogado. E informou que Gil Rugai foi transferido ontem para a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior do Estado. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Leia tudo sobre: crime

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG