Defesa de Dantas pede novas testemunhas e acesso a áudio de reunião

SÃO PAULO - O advogado do banqueiro Daniel Dantas, Nélio Machado, pediu, nesta quarta-feira, durante sessão realizada na 6º Vara Criminal de São Paulo, acesso às gravações da reunião ocorrida em São Paulo com delegados e diretores da Polícia Federal. Machado quer também que o ex-chefe da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Paulo Lacerda, e o delegado Protógenes Queiroz sejam ouvidos como testemunhas.

Lecticia Maggi, repórter do Último Segundo |

O juiz responsável pelo caso, Fausto De Sanctis, irá analisar o pedido do advogado. Ainda não há data certa para o anúncio da decisão. Caso a petição da defesa seja aceita, deve ser marcada uma nova oitiva das testemunhas e uma audiência com os réus para confrontar os depoimentos. Do contrário, a sentença deve ser proferida, condenando ou não os réus, em até dez dias.

A reunião, onde a cúpula da PF decidiu pelo afastamento de Protógenes Queiroz do comando da Operação Satiagraha, foi realizada em 14 de julho. Já Paulo Lacerda foi afastado no dia 1º de setembro após a divulgação de um suposto grampo ao ministro Gilmar Mendes com a participação ilegal de agentes da Abin.

O procurador da República Rodrigo De Grandis disse que o Ministério Público não vê a necessidade das gravações da reunião de Protógenes com a PF estarem nos processos. A acusação é de corrupção ativa, não existe menção a funcionários da ABIN, afirmou, reiterando que caberá ao juiz analisar o pedido.

AE
Após sessão, Dantas deixa o Fórum nesta quarta-feira

De Grandis afirmou também que há provas suficientes para a condenação dos três acusados por corrupção ativa. Daniel Dantas comandou toda a operação. A corrupção foi cometida para beneficiá-lo. Então, ele é responsável criminalmente por isso, disse. Ele acrescentou que o Ministério Público tem elementos suficientes para aplicar uma pena bem acima do mínimo legal e que ela pode chegar até 12 anos.

Réus temem ser presos

Na chegada à Vara Criminal, no centro da cidade, Chicaroni disse que espera ser absolvido, mas admitiu ter medo de ser preso. Sou um cidadão comum, afirmou. Ao ser questionado se já conhecia e era amigo dos outros doiss réus, ele respondeu: Nem o Braz nem o Dantas.

Daniel Dantas entrou no Fórum sem falar com a imprensa, mas o seu advogado disse ter uma preocupação fundada em relação ao futuro do seu cliente. Inclusive pela postura que vejo e as declarações do novo delegado Saadi", afirmou.

Segundo Machado, nas alegações da defesa, apresentadas nesta quarta, foram incluídos mais cem documentos ¿ totalizando cerca de 300 páginas. "Fiz uma radiografia da perseguição mostrando as violências e as ilegalidades deste caso e de tudo o que o antecedeu. Uma questão de natureza societária foi transformada em procedimento penal com propósitos espúrios, afirmou.

Nova acusação: lavagem de dinheiro

De acordo com procurador De Grandis, existe um novo inquérito do Ministério Público e da Polícia Federal que acusa Daniel Dantas de lavagem de dinheiro e gestão fraudulenta, além de outros crimes financeiros. O Ministério Público e a Polícia Federal estão investigando isso e, em breve, teremos uma definição. Tenho certeza que haverá uma denúncia de lavagem de dinheiro", disse.

Leia também:

Opinião


Leia mais sobre:

Operação Satiagraha

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG