escritórios do grupo Opportunity no Rio de Janeiro. Em nota à imprensa, o advogado Andrei Schmidt diz que a PF já estava de posse dos documentos buscados na operação de hoje e questiona o fato de a ação se desenrolar nesta quarta-feira - dia do depoimento do delegado Protógenes Queiroz à CPI dos Grampos e de início do feriado de Páscoa na Justiça Federal." / escritórios do grupo Opportunity no Rio de Janeiro. Em nota à imprensa, o advogado Andrei Schmidt diz que a PF já estava de posse dos documentos buscados na operação de hoje e questiona o fato de a ação se desenrolar nesta quarta-feira - dia do depoimento do delegado Protógenes Queiroz à CPI dos Grampos e de início do feriado de Páscoa na Justiça Federal." /

Defesa de Dantas diz que operação da PF é arbitrária

SÃO PAULO - A defesa do empresário Daniel Dantas chamou de arbitrariedade a operação da Polícia Federal realizada nesta tarde em http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/04/08/policia+federal+realiza+operacao+no+banco+opportunity+de+daniel+dantas+5423911.htmlescritórios do grupo Opportunity no Rio de Janeiro. Em nota à imprensa, o advogado Andrei Schmidt diz que a PF já estava de posse dos documentos buscados na operação de hoje e questiona o fato de a ação se desenrolar nesta quarta-feira - dia do depoimento do delegado Protógenes Queiroz à CPI dos Grampos e de início do feriado de Páscoa na Justiça Federal.

Valor Online |

A 6ª Vara Federal de São Paulo expediu mandados de busca e apreensão para obter livros fiscais das empresas do grupo Opportunity.

De acordo com a Polícia Federal, "indícios de que as transferências de recursos entre as empresas do Grupo, por meio de contratos de mútuo e AFACs (Adiantamento de Futuro Aumento de Capital), poderiam estar relacionadas a práticas delituosas" tornaram necessária a investigação desses documentos.

A PF afirma que o Opportunity se negou a entregar os livros, alegando já os ter enviado em meio eletrônico. "Na verdade, a Polícia Federal havia obtido apenas parte das informações solicitadas, e a resistência por parte dos dirigentes das empresas motivou a realização das buscas" , diz nota da PF.

O advogado de Daniel Dantas, por sua vez, reitera que a PF já estaria de posse dos livros e diz que " em nenhum momento a Polícia Federal justificou a solicitação de outros documentos que não os que já estavam em seu poder" .

Andrei Schmidt argumenta que a investigação busca reavivar provas antigas e isso evidenciaria a fragilidade das acusações e conclui que a operação de busca e apreensão "está impregnada de arbitrariedades".

    Leia tudo sobre: daniel dantas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG