De olho na contemporaneidade, Museu da Imagem e do Som de São Paulo reabre suas portas neste sábado

SÃO PAULO - Neste sábado, o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) reabre suas portas após reforma para readequação e modernização de suas dependências. Com foco em novas linguagens, a instituição volta a ativa para reassumir sua vocação de centro de produção, difusão, conservação, pesquisa e formação artísticas, com foco na diversidade cultural e nas novas linguagens.

Maria Rita Fava, do Último Segundo |

Entre as novidades está o resgate de festivais de cinema e vídeo tradicionais, exposições de fotografia internacionais, apresentação de VJs, show de música experimental e transmissões ao vivo via internet, além da criação do primeiro laboratório público de novas mídias do Brasil, o LabMIS. Segundo informou a assessoria de imprensa, o MIS, a partir de agora, poderá realizar eventos interligados em seus espaços físico e virtual.

Para a reinauguração, o MIS traz a exposição multisensorial Lights Out: Proposições Fotográficas em Outros Campos dos Sentidos  e a obra Espelho. A primeira exibe trabalhos dos artistas Sara Chi-Hang Wong e Leung Chi-Wo (China), Whitney Lee (EUA), Skoltz e Kolgen (Canadá) e Rochelle Costi (Brasil), como prova de que a imagem visual é apenas um dos possíveis resultados do processo fotográfico, mas não o único.

Divulgação
"Reprodutor", da artista gaúcha Rochelle Costi

Espelho é criação de Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti, na qual uma superfície espelhada maleável é puxada e empurrada de acordo com a presença e a movimentação das pessoas no espaço físico, produzindo reflexos e deformações dinâmicos. A proposta é traduzir, visualmente, o deslocamento do volume de ar provocado pela chegada de um corpo estrangeiro a um ambiente espacial.

Vamos trazer o MIS de volta à discussão cultural. Queremos o Museu como um ponto de referência para artistas, públicos diversos, críticos e produtores culturais, retomando a posição que o espaço já ocupou na cidade e na cena brasileira, afirma a curadora e crítica de artes visuais Daniela Bousso, à frente da casa desde 2007 e responsável por dar impulso ao Paço das Artes.

Estrutura

De acordo com Daniela, o MIS passa a ter quatro eixos principais de atuação: acervo, web-site, LabMIS e programação. Interligados, configuram o novo perfil institucional do Museu, complementa a diretora adjunta da instituição, Priscila Arantes.

Apoiado em aproximados R$ 5,2 milhões em aumento de verbas neste ano, em relação a 2007, conferido pela Secretaria de Estado da Cultura, o MIS concentra suas atividades no que há de mais atual na arte contemporânea brasileira e internacional. Para tanto, do montante aplicado, R$ 2,9  milhões estão sendo destinados exclusivamente à readequação de seu espaço físico, além da aquisição e recuperação de equipamentos técnicos. Para a implantação do LabMIS, o investimento é de R$ 400 mil, alocados da verba total destinada pela Secretaria de Estado da Cultura.

A página na web do museu volta ao ar após total reformulação. A proposta é de que, no futuro, o site possa não somente informar as programações cultural e educativa, como também disponibilizar obras digitalizadas do acervo, funcionar como espaço de criação de novas linguagens e plataforma de programação e discussão virtual.

LabMIS

O LabMIS, primeiro laboratório público de novas mídias do Brasil, configura um centro de intersecção entre as artes, a sociedade, a ciência e a tecnologia. Trata-se de um espaço voltado para a experimentação e produção, que contempla artistas comissionados e residentes.

O laboratório ocupa o segundo pavimento do edifício. Divide-se em estúdios de captação e edição de imagem e som em tempo real, além de uma sala de oficina de construção de interfaces e interação com máquinas e mais uma sala para workshops. Atividades de inclusão dos mais diversos públicos, com foco em crianças, adolescentes, universitários e terceira idade, também estão na programação.

Um pouco de história

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) foi fundado em 29 de maio de 1970. Vinculado à Secretaria de Estado da Cultura do Governo do Estado de São Paulo, desde 2006 configura-se como uma Organização Social da Cultura e está desde novembro de 2007 sob direção geral de Daniela Bousso.

Tido como centro de efervescência cultural, foi palco de surgimento de eventos como a Mostra do Audiovisual Paulista, o Festival Internacional de Curtas e o Festival de Vídeo Brasil. 

Seu acervo conta com mais de 300 mil itens, entre fotografias, filmes, vídeos, cartazes, discos de vinil e outros registros sonoros. Destacam-se depoimentos em vídeo de Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Sergio Buarque de Holanda, Tom Jobim, Nelson Pereira dos Santos, Piolim e Camargo Guarnieri e arquivos fotográficos Memória Paulo Emílio Salles Gomes, Revolução de 32; além de produções do festival de Vídeo Brasil, hoje conhecido como festival Videobrasil.

Serviço

Museu da Imagem e do Som de São Paulo ¿ MIS
Endereço: Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo
Tel.: (11) 2117-4777
Horários de funcionamento: de terça-feira a sábado, das 12h às 22h; domingos e feriados, das 11h às 21h

    Leia tudo sobre: mis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG