decisão de renunciar ao comando da Casa." / decisão de renunciar ao comando da Casa." /

De olho na aliança PT-PMDB, Lula se reúne com Sarney e líderes petistas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reúne nesta quinta-feira com líderes do PT e, na sexta-feira, com o presidente do Senado, José Sarney, na tentativa de fazer o senador recuar da http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/07/01/sarney+decide+renunciar+e+espera+lula+para+fazer+anuncio+7049942.html target=_topdecisão de renunciar ao comando da Casa.

Redação com Agência Estado |

  • Veja os 663 atos secretos do Senado
  • Mande seu recado para os senadores e deputados
  • Senado instala cercado e imprensa fica sem acesso a Sarney
  • Claudio Abramo: Fica, Sarney
  • Luis Nassif: a biografia de Sarney

    AE
    Sarney deixa o Plenário do Senado na quarta-feira

    Sarney deixa o Plenário do Senado na quarta-feira

    Sarney (PMDB-AP) emparedou o PT na quarta-feira e tornou o Palácio do Planalto sócio de sua crise. Diante da sugestão de afastamento do comando da Casa, apresentada por senadores petistas, o presidente do Senado ameaçou renunciar ao cargo, fato que desencadearia um processo sucessório fratricida e abalaria a aliança PT-PMDB em 2010.

    A manobra de Sarney foi a senha para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciasse uma operação de enquadramento do PT para salvar o aliado. Horas depois de decidir engrossar o coro pelo afastamento de Sarney - alvo de uma série de denúncias, entre elas, o chamado ato secreto, o PT voltou atrás.

    Às 22h15 de quarta-feira, ao deixar a casa de Sarney, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) selou o tom da resistência à renúncia: foi importante a decisão do PT (o recuo). O que está em jogo é 2010.

    Bancada dos "arrependidos"

    AE
    Mercadante deixa casa de Sarney

    Mercadante deixa casa de Sarney

    O líder da legenda no Senado, Aloizio Mercadante (SP), capitaneou a visita da bancada dos arrependidos à casa de Sarney. A renúncia é uma possibilidade que ele pode vir a tomar. Mas, no nosso ponto de vista, não é a melhor escolha, porque a crise não pode ser atribuída a ele. Desses 14 anos de atos secretos, ele foi presidente por quatro anos. Não é justo, disse Mercadante, ao fim do encontro.

    No início da noite de terça-feira, o presidente já havia escalado a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) para falar com Sarney e pedir explicitamente que ele não tomasse nenhuma decisão sobre afastamento do cargo antes da conversa marcada para hoje - Lula participava do encontro da União Africana, na Líbia.

    Respaldado pelo PT, Sarney avisou, como novo fôlego, que só decidirá sobre sua permanência ou não no posto depois da conversa reservada com Lula. O horário do encontro com o presidente não foi confirmado. Já a reunião do Lula com o partido, segundo o líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante, está marcada para as 20h.

    Possíveis sucessores

    Mesmo sem uma definição, os candidatos a sua sucessão de Sarney começaram a se movimentar. Um dos nomes mais cotados é o do senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), que, há dois anos, assumiu a presidência da Casa após renúncia de Renan Calheiros (PMDB-AL).

    Garibaldi foi um dos três senadores do PMDB que defenderam publicamente que Sarney se licencie do cargo. Ao mesmo tempo, mas com pouquíssimas chances, o DEM trabalha para viabilizar o nome de Marco Maciel (DEM-PE) à presidência do Senado.

    Com a eventual saída de Sarney, a tendência é que o comando da Casa permaneça nas mãos do PMDB. Terá de haver uma nova eleição para escolha de outro presidente. A avaliação entre os peemedebistas é a de que não há nomes viáveis e de consenso na bancada de 19 senadores em condições de suceder Sarney sem entrar em confronto com o Palácio do Planalto.

    Agência Brasil
    O senador Garibaldi Alves
    As pretensões de Garibaldi de ocupar a presidência da Casa só se tornarão realidade em uma negociação de consenso entre todos os partidos. Afinal, lembram interlocutores de Sarney, a Constituição proíbe a reeleição de presidentes do Congresso na mesma legislatura. Garibaldi comandou o Senado entre dezembro de 2007 e fevereiro de 2009 e, por isso, não pôde concorrer à reeleição no início deste ano.

    Agora, mesmo com a eleição de Sarney em fevereiro último, Garibaldi não poderia disputar novamente a cadeira de presidente do Senado porque está na mesma legislatura. Não tem nenhuma vaga desocupada, não tem porquê se falar nisso, desconversou Garibaldi sobre sua eventual candidatura à sucessão de Sarney.

    DEM de olho na presidência

    Sem nomes de peso no PMDB para substituir Sarney, o DEM trabalha para tentar emplacar o senador Marco Maciel (PE). Ex-vice presidente da República, católico praticante e na vida pública há mais de quatro décadas, Maciel é tido como um magistrado capaz de administrar os ânimos exaltados do Senado.

    Mas apesar das qualidades vistas até mesmo por seus adversários, o nome de Maciel dificilmente tem chances de emplacar porque o PMDB não vai perdoar a traição do DEM, que decidiu pedir o afastamento de Sarney da presidência.

    Ganhar no "tapetão"

    Na quarta-feira, o presidente recorreu a uma metáfora futebolística para voltar a defender a permanência de Sarney. Lula disse que o PSDB quer ganhar a presidência do Senado "no tapetão". "O DEM e PSDB querem que o Sarney se afaste para o Marconi Perillo (senador pelo PSDB-GO e primeiro vice-presidente do Senado) assumir, o que não é nenhuma vantagem para ninguém", afirmou. "A única vantagem é para o Marconi Perillo e para o PSDB, que querem ganhar o Senado no tapetão. Assim não é possível. Isso não faz parte do jogo democrático", destacou o presidente.

    Leia também:

    Leia mais sobre José Sarney

    • Leia tudo sobre: crisesarneysenado

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG