Cúpula da PF em Volta Redonda é presa acusada de adulterar combustível

RIO DE JANEIRO ¿ Vinte e três pessoas suspeitas de integrar uma quadrilha que transportava clandestinamente e adulterava combustíveis foram presas na Operação Resplendor, deflagrada nesta quinta-feira pela Polícia Federal. Entre os presos estão o delegado-titular da PF em Volta Redonda, César Augusto Gomes Gaspar, o delegado-substituto, Gustavo Stteel, o chefe do Núcleo de Operações, Sérgio Vinícius de Oliveira, e mais três agentes da delegacia localizada no Sul Fluminense.

Redação com Agência Estado |

Acordo Ortográfico

Além dos seis policiais federais, foram presos, até o momento, dois policiais civis no Rio, um policial militar em São Paulo, 12 empresários, sendo nove no Rio e três em São Paulo, e um despachante. Ao todo, foram expedidos pela Justiça 40 mandados de prisão preventiva. Quatro fiscais da Secretaria da Receita do Estado, dois motoristas de caminhão e nove PM´s de São Paulo foram denunciados.

Os presos irão responder pelos crimes de formação de quadrilha armada, corrupção passiva e ativa, transporte clandestino e adulteração de combustíveis, uso de documentação falsa e sonegação fiscal.

AE
AE

Agentes da Polícia Federal em ação na cidade de Volta Redonda

De acordo com Polícia Federal, a quadrilha agia há cerca de um ano com o apoio de policiais civis e militares. Ainda segundo a PF, o grupo trazia o combustível de São Paulo em caminhões com notas fiscais frias e, em alguns casos, sem nota. As investigações, que começaram há seis meses, apontam que a quadrilha pagava uma mensalidade aos policiais para continuar agindo sem fiscalização.

A operação ainda está em andamento. Os agentes estão cumprindo os mandados em Volta Redonda e em São Paulo. Algumas carretas de combustíveis foram apreendidas. Os presos ainda não foram ouvidos pela polícia.

Leia mais sobre: combustível adulterado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG