Crivella diz esperar que juiz reveja suspensão de obras

O senador e pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), disse que espera que o juiz Fábio Uchôa, responsável pela fiscalização da propaganda eleitoral no município, suspenda o embargo às obras do projeto Cimento Social, no Morro da Providência, no centro da cidade. Espero que o juiz reveja sua decisão, em vista da grande importância da obra, afirmou Crivella.

Agência Estado |

Ele esteve hoje no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para entregar sua defesa no procedimento que apura o uso eleitoral do programa de reforma das casas.

O senador evitou responder às perguntas dos repórteres sobre o caráter eleitoreiro do projeto. Ele limitou-se a dizer que sua defesa "se baseia na verdade", mas não entrou em detalhes. Os esclarecimentos do senador tem oito páginas, do qual faz parte ainda uma nota fiscal, no valor de R$ 310, referente à impressão de 2 mil cartões com a imagem do Morro da Providência hoje, de como ficaria depois das obras e com uma fotografia de Crivella. O pré-candidato devolveu ainda, por ordem do juiz Fábio Uchôa, 497 cartões que ainda não haviam sido distribuídos.

Se for determinado que houve uso eleitoral, o senador poderá ser multado entre R$ 21 mil e R$ 53 mil. Ele registrará sua candidatura entre primeiro e cinco de julho. Caberá ao Ministério Público Estadual (MPE) representar ou não pela impugnação.

Propaganda em revista

Sobre a abertura de novo procedimento pelo TRE para apurar crime eleitoral na publicação de um texto, de duas páginas, no Roteiro do Poder (guia com telefones de órgãos públicos e empresas do Rio) anunciado como "informe especial", em que o senador é apresentado como o "criador do PAC das Favelas", Crivella negou que se tratasse de informe publicitário. Segundo ele, a revista publicou uma reportagem. Crivella tem dois dias para se defender.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG