RIO DE JANEIRO (Reuters) - A crise financeira mundial já está provocando uma turbulência no mercado aéreo brasileiro neste ano, que deve se intensificar no ano que vem, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A presidente da Anac, Solange Vieira, disse que a autarquia está revisando para baixo a projeção para o crescimento do fluxo de passageiros nesse ano e no próximo.

Vieira informou que a estimativa de crescimento para este ano encolheu de 10 para 8 por cento, enquanto a previsão para 2009 baixou de 7 para 3 por cento.

"Nossas companhias estão estruturadas com folga financeira para passar por essa turbulência", disse Solange Vieira a jornalistas após a divulgação do balanço aéreo da Aviação Civil Brasileira em 2008.

"Mais ou menos 70 por cento do faturamento da TAM e 90 por cento do faturamento da Gol vêm do mercado doméstico. As nossas companhias têm o privilégio de estarem fortalecidas no mercado doméstico e se sustentarem com isso", afirmou ela.

A presidente da Anac disse ainda que espera um fim de ano tranquilo nos aeroportos de todo o país, apesar da ameaça de greves.

A Anac tem um plano de contingência montado e medidas preventivas foram tomadas em parceria com as companhias aéreas.

"Vai ser um fim de ano tranquilo...a aviação civil não é mais um problema para o país", declarou Vieira.

O número de atrasos no último trimestre ficou em 14,5 por cento dos vôos, contra 27,7 por cento no mesmo período do ano passado. Já o de cancelamentos baixou de 5,8 por cento para 2,8 por cento dos vôos no quarto trimestre de 2008 até agora.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.