Crise econômica afeta mais a saúde dos homens, diz estudo

Crise econômica afeta mais a saúde dos homens, diz estudo Por Equipe AE São Paulo, 02 (AE) - A crise econômica que atinge o mundo vai afetar mais os homens do que as mulheres, na medida em que a insegurança no emprego ameaça o senso inato de masculinidade, prejudicando a saúde mental. Um recente estudo da Universidade Cambridge mostrou que, apesar de mais mulheres que homens estarem perdendo seus trabalhos na Grã-Bretanha, devido ao arrocho do crédito e à queda no consumo, os homens que acham que podem ser despedidos tendem a ficar mais estressados e deprimidos que as mulheres na mesma situação.

Agência Estado |

À medida que a recessão se arrasta, os efeitos da insegurança no trabalho serão piores para a saúde dos homens que para o das mulheres, constatou o estudo. "Há em parte a ideia machista de o homem ser o ganha-pão da casa", disse Brendan Burchell, do Departamento de Sociologia da Universidade de Cambridge, que compilou o estudo. "Diferentemente das mulheres, percebemos de forma clara que os homens têm poucas maneiras positivas, excetuando o trabalho, de definir-se entre o período em que completam seus estudos e quando se aposentam."

TRADICIONAIS
Burchell afirmou que, apesar de várias décadas de oportunidades iguais de trabalho para homens e mulheres, os homens ainda conservam a ideia tradicional de que uma ameaça a seu emprego representa uma ameaça ainda maior à sua masculinidade.

O estudo da Universidade de Cambridge citou uma pesquisa Populus divulgada neste ano que mostrou que as mulheres se dizem mais preocupadas que os homens com a possibilidade de perder seus empregos. Mas a pesquisa de Burchell constatou que, embora os homens possam ostentar uma fachada mais corajosa, a insegurança no trabalho provoca mais sintomas de ansiedade e depressão entre eles que entre as mulheres.

Analisando dados de 300 funcionários britânicos atuais, além de uma pesquisa feita com milhares de pessoas pelo Conselho de Pesquisas Econômicas e Sociais, mapeando os efeitos das transformações econômicas e sociais desde 1991, o estudo constatou que, quando homens desempregados passam a trabalhar em empregos inseguros, não apresentam melhora em sua saúde psicológica.

SAÚDE
Para mulheres desempregadas, entretanto, mesmo um emprego inseguro já ajuda a restaurar sua saúde psicológica. Burchell disse ainda que o declínio de longo prazo no bem-estar mental pode ser pior para pessoas ameaçadas de perder seus empregos que para aquelas que são demitidas de fato.

"Como a maioria das previsões mostra que a recessão será longa, com período de recuperação lento, muita gente - especialmente homens - podem estar ingressando num período de infelicidade prolongada e crescente."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG