Cresce resistência de bactéria da meningite a antibióticos, segundo estudo

O principal agente causador de meningites bacterianas, a cepa Neisseria Meninigitidis, está 12,6% mais resistente aos antibióticos penicilina e ampicilina, de acordo com informações da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

Agência Estado |

O estudo feito com base em análises do Instituto Adolfo Lutz indica que a bactéria ficou resistente em um período de dois anos. A resistência da bactéria à penicilina passou de 13,5% em 2006 para 15,1% no ano passado e, no caso da ampicilina, a variação foi de 13,4% para 15,1%.

O aumento da resistência indica, segundo pesquisadores, que seriam necessárias doses maiores dos dois antibióticos para o tratamento de meningites bacterianas. Na pesquisa, não foi observada resistência das cepas de "Neisseria Meninigitidis" às cefalosporinas de terceira geração, grupo de antibióticos derivados sintéticos da penicilina.

De acordo com a pesquisadora do instituto, Maria Cecília Outeiro Gorla, uma das responsáveis pelo trabalho, o uso desnecessário ou incorreto de antibióticos pode favorecer essa tendência de aumento de resistência da bactéria. Foram examinadas 1.096 cepas, isoladas de casos de meningite de todo o Brasil entre os anos de 2006 e 2008.

Leia mais sobre meningite

    Leia tudo sobre: bactériameningiteresistência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG