O governo vai abrir crédito extraordinário no valor de R$ 149,2 milhões para ações de prevenção, acompanhamento, avaliação e adequação de medidas sanitárias e epidemiológicas para minimizar o risco de pandemia da gripe suína, a Influenza A (H1N1), no Brasil. De acordo com o Ministério do Planejamento, será editada uma Medida Provisória (MP) liberando os recursos que serão destinados a despesas de custeio e capital.

O crédito será distribuído entre os ministérios da Saúde, Agricultura, Fazenda, Defesa, Desenvolvimento Agrário, Meio Ambiente e para a Secretaria Especial de Portos.

A MP está sendo preparada e, segundo o ministério do Planejamento, serão destinados R$ 102,4 milhões para o Ministério da Saúde para a aquisição de equipamentos de proteção individual e kits de diagnóstico laboratorial; para a instalação de força-tarefa em portos, aeroportos, fronteiras; para ações de publicidade e confecção e distribuição de material de divulgação; e para a aquisição de insumos e matéria prima necessários à produção de medicamentos.

Outros R$ 19,7 milhões serão destinados ao Ministério da Agricultura para a adequação da infraestrutura de laboratórios destinados ao diagnóstico da influenza; e para a ampliação da capacidade operacional desse diagnóstico. O restante dos recursos serão utilizados por outros ministérios em atividades complementares e de apoio na vigilância sanitária. A previsão é de que a Fazenda receba R$ 8,3 milhões; a Defesa, R$ 7,1 milhões; o Desenvolvimento Agrário, R$ 5,1 milhões; a Secretaria Especial de Portos da Presidência da República, R$ 4,2 milhões; e o Ministério do Meio Ambiente, R$ 2,1 milhões.

O pedido de suplementação orçamentária foi feito na semana passada pelo Grupo Executivo Interministerial que discute ações de prevenção da Influenza A. O crédito extraordinário anunciado pelo governo é um pouco superior aos R$ 141 milhões solicitados pelo grupo. O ministério do Planejamento esclareceu que a liberação desses recursos se faz necessária depois da classificação pela Organização Mundial de Saúde (OMS) da situação atual como Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.