Crédito empaca, mas Bradesco lucra 14,7% mais no 2o tri

SÃO PAULO (Reuters) - O Bradesco informou nesta segunda-feira que encerrou no segundo trimestre com lucro líquido de 2,297 bilhões de reais, um crescimento de 14,7 por cento em relação ao apurado em igual período de 2008. Mas a carteira de crédito do segundo maior banco privado brasileiro ficou em 212,8 bilhões de reais. Embora isto signifique um avanço de 18,2 por cento ante o montante do final do primeiro semestre do ano passado, ficou ligeiramente abaixo dos 213 bilhões de reais de março.

Reuters |

No balanço, o banco explicou que o principal motivo do fraco desempenho do crédito no período foi a desvalorização do dólar, que impactou negativamente os empréstimos indexados à moeda norte-americana, que representavam 16,1 por cento do total.

Além disso, o banco elevou mais uma vez a provisão contra perdas esperadas com créditos no trimestre passado para 13,871 bilhões de reais, 60,3 por cento maior do que a do segundo trimestre de 2008.

"O aumento da provisão reflete os efeitos da crise financeira mundial que implicou numa desaceleração econômica no país, afetando temporariamente a capacidade das empresas e dos indivíduos de cumprirem com seus compromissos financeiros", diz trecho do relatório do banco.

Em junho, o nível médio de inadimplência da carteira ficou em 4,6 por cento, acima dos 4,2 por cento de março e dos 3,4 por cento do final do primeiro semestre de 2008.

A pressão provocada pelo aumento das provisões contra perdas foi contrabalançada pela alienação de ações que o banco tinha na empresa de cartões Visanet, o que produziu uma receita não operacional extra de 2 bilhões de reais.

O Bradesco prevê uma redução no ritmo de crescimento da inadimplência das pessoas físicas, mas avalia que as micro, pequenas e médias empresas ainda merecem atenção.

O banco prevê uma recuperação mais consistente da crise prevista na segunda metade do ano, mas não em nível suficiente para manter as previsões anteriores para o crédito. Por isso, o Bradesco reduziu a expectativa de expansão do financiamento da faixa de 13 a 17 por cento para a de 8 a 12 por cento.

Entre abril e junho, as receitas de prestação de serviços do banco totalizaram 2,91 bilhões, uma evolução de 9,6 por cento em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

(Reportagem de Aluísio Alves)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG