CPI: oposição quer dados de MP e TCU sobre Petrobras

A estratégia da oposição na CPI da Petrobras, durante as primeiras semanas de agosto, quando os senadores do Conselho de Ética estarão analisando uma possível abertura de processo contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), será pressionar a base governista para aprovar os requerimentos que pedem informações sobre a estatal no Ministério Público (MP) e no Tribunal de Contas da União (TCU). As convocações importantes ficariam para um segundo momento, quando a crise no Senado estiver arrefecendo.

Agência Estado |

De acordo com o senador Alvaro Dias (PR), vice-líder do PSDB e autor do requerimento de criação da CPI, o ideal será que pessoas importantes para a investigação, como os presidentes da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, e da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Haroldo Lima, sejam ouvidas em depoimento apenas depois que os senadores receberem e analisarem com atenção os documentos requeridos ao TCU e ao MP. Os senadores da oposição sabem que será difícil convocar Gabrielli e Lima uma segunda vez e, por isso, o acesso às informações pedidas será essencial, segundo eles, para que possam se cercar de argumentos durante a audiência da CPI em que serão ouvidos.

O senador tucano prepara ainda novos requerimentos para apresentar à CPI da Petrobras na volta do recesso parlamentar, que termina nesta sexta-feira. O objetivo é pedir informações sobre as últimas denúncias veiculadas na imprensa contra a Petrobras, como o contrato de financiamento firmado pela estatal com uma empresa em cujo endereço funciona um canil. A CPI da Petrobras recebeu, até o momento, 84 requerimentos. A maior parte dos requerimentos apresentados foi encaminhada pelo senador Antônio Carlos Magalhães Júnior (DEM-BA), um total de 53. Já o senador Alvaro Dias apresentou 27 requerimentos e o presidente da CPI, João Pedro (PT-AM), quatro.

A próxima reunião da CPI da Petrobras está marcada para o dia 6 de agosto, quinta-feira da próxima semana, quando o relator das investigações, senador Romero Jucá (PMDB-RR), deverá apresentar o cronograma de trabalhos, com a lista de pessoas que ele considera importante serem ouvidas e o período em que as investigações deverão durar.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG