CPI já recebeu mais de 700 denúncias sobre atuação de milícias no Rio

RIO DE JANEIRO - A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), que investiga a ação de milícias no Estado, já recebeu mais de 700 denúncias por meio do seu serviço telefônico. A informação foi divulgada pelo presidente da CPI, deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL).

Agência Brasil |

Segundo o deputado, as denúncias, que podem ser feitas pelo telefone 0800 28 20 376, têm contribuído muito para o trabalho da CPI. Graças ao chamado Disque-Milícia e a depoimentos de autoridades e especialistas, os deputados traçaram um mapa da atuação desses grupos paramilitares, que controlam territórios, exploram serviços ilegais (como TV a cabo clandestina e segurança irregular) e contam com a participação de agentes de segurança do Estado.

Essa discagem é muito importante porque é a forma de a população participar. Sabemos que esses grupos operam muito com a lógica do terror, então a convocação dessas pessoas para depor na CPI pode colocar a vida delas em risco. Por isso, o Disque-Milícia permite, como não há identificação de quem está denunciando, que essa população possa diretamente participar sem colocar sua vida em risco, afirma Freixo.

O deputado explica que, hoje, os principais pontos de atuação das milícias na capital são Jacarepaguá, onde várias milícias disputam controle das favelas, e Campo Grande, na zona Oeste, onde a quadrilha Liga da Justiça, supostamente liderada pelo deputado estadual Natalino Guimarães e pelo seu irmão, vereador Jerominho, ambos presos, tem forte presença.

Mas há também presença, ainda embrionária, desses grupos em outros 13 municípios do interior, como Volta Redonda, e da Baixada Fluminense, como Itaguaí. Um crime ocorrido recentemente em Itaguaí, aliás, chamou a atenção de Freixo: o assassinato, no último dia 19, do líder comunitário Jorge Martins, que vinha denunciando a atuação de milícias em sua cidade.

De acordo com Freixo, a CPI encerrará sua primeira fase na próxima quinta-feira, quando ouvirá especialistas e membros do Ministério Público. A segunda fase, prevista para a semana seguinte, incluirá a convocação de suspeitos de envolvimento com as milícias no Rio de Janeiro. O relatório parcial da CPI, criada em junho deste ano, deverá sair no dia 15 de setembro. Já o relatório final está marcado para o dia 15 de novembro.

Veja também:

Leia mais sobre: milícias no Rio


    Leia tudo sobre: alerjcpimilíciamilíciasrioviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG