Na sua terceira reunião, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), encarregada de examinar denúncias de desvios de recursos federais para entidades consideradas vinculadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) aprovou nesta tarde 67 requerimentos, a maior parte para convocar autoridades do governo, dirigentes das entidades denunciadas e da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Foi feito na CPMI um acordo entre governistas e oposicionistas para que, nesta primeira fase de trabalhos, restrinja suas atividades à avaliação da questão da reforma agrária e problemas fundiários.

Somente depois é que serão apresentados requerimentos para ouvir depoentes e para quebrar sigilo de acusados de envolvimento nos desvios de dinheiro.

O deputado Moreira Mendes (PPS-RO) criticou o fato de a CPMI se concentrar neste momento na análise de questões fundiárias. Lembrou que a proposta da comissão é a de examinar denúncias de desvios de recursos públicos repassados a organizações não-governamentais (ONGs) que já teriam sido comprovados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). "Esse é o nosso papel. Não podemos esquecer o trabalho da CPMI. Não é para fazer palanque político, discutindo questões sobre a reforma agrária."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.