* Associação reúne operações de açúcar, etanol, distribuição de combustíveis e pesquisa * Joint-venture tem faturamento estimado em R$40 bi ao ano

* Meta é ser líder global em energia renovável, diz Ometto

SÃO PAULO (Reuters) - A Cosan, maior empresa do setor sucroalcooleiro no Brasil, anunciou nesta segunda-feira negociações com a Shell para a formação de uma joint-venture avaliada em 12 bilhões de dólares que vai reunir sob um mesmo teto operações de açúcar, etanol, distribuição de combustíveis e pesquisa.

A companhia assinou na véspera um memorando de entendimento para negociações exclusivas por 180 dias para a formação da joint-venture que vai unir os negócios da Cosan de açúcar e etanol, incluindo co-geração de energia, com ativos de distribuição e comercialização de combustíveis da Shell no Brasil, além da participação da petrolífera em empresas de pesquisa e desenvolvimento a partir da biomassa.

"A visão da Cosan é se tornar uma líder global em energia limpa e renovável. O nosso tamanho, grau de sofisticação e estágio de desenvolvimento, recomenda um parceiro que não apenas compartilhe estes objetivos, mas também tenha acesso a mercados internacionais...", afirmou Rubens Ometto Silveira Mello, presidente do Conselho de Administração da Cosan, em comunicado.

Segundo o diretor financeiro da Cosan, Marcelo Martins, a joint-venture deve ter uma receita bruta anual estimada em 40 bilhões de reais.

Pelo acordo anunciado, o valor dos ativos a serem transferidos pela Cosan à associação soma 4,925 bilhões de dólares. A companhia ainda vai migrar dívidas líquidas de cerca de 2,524 bilhões de dólares.

Enquanto isso, a Shell vai fazer em até dois anos aporte em dinheiro na joint-venture de cerca de 1,625 bilhão de dólares e valor "contingente" estimado em 300 milhões de dólares ao longo de cinco anos, "a título de contribuição adicional baseada em ganhos futuros da estrutura conjugada".

Segundo a Cosan, a associação será "possivelmente" implementada por meio da criação de duas companhias. Uma ficaria a cargo de açúcar, etanol e co-geração de energia. A outra ficaria com os ativos de distribuição de combustíveis, que será a terceira maior do setor do país, com 4.500 postos de combustíveis no Brasil.

A Cosan já atua no setor de distribuição de combustíveis por meio da Esso, cujas operações brasileiras foram adquiridas em 2008 por aproximadamente 1 bilhão de dólares.

Em dezembro, a empresa anunciou a compra da rede de distribuição da Petrosul, com mais 83 postos.

A líder em distribuição de combustíveis no país é a BR Distribuidora, da Petrobras, seguida pela Ipiranga, de acordo com dados do Sindicomb, o sindicado do setor.

A Cosan vai dar mais esclarecimentos sobre a operação ainda nesta segunda-feira.

A companhia vai deixar de fora da associação suas atividades com produção e venda de lubrificantes, atividades logísticas da Rumo Logística, propriedades agrícolas e marcas de alimentos, como "Da Barra" e "União".

(Por Alberto Alerigi Jr. e Inaê Riveras)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.