Corregedoria investiga 90 policiais por ligação com jogo

SÃO PAULO - Noventa policiais civis de São Paulo são investigados pela Corregedoria da corporação, acusados de envolvimento com a máfia dos caça-níqueis, segundo o delegado-geral Domingos Paulo Neto.

Agência Estado |

De janeiro a junho foram apreendidos 20.967 equipamentos na capital e Grande São Paulo, aumento de 16,48% em relação ao mesmo período de 2008. O 77º Distrito Policial (Santa Cecília) acumula o maior número de máquinas.

Como os equipamentos não são destruídos com frequência - já que a Justiça define o que será feito com eles -, o prédio do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania, na Avenida São João, no centro de São Paulo, que ainda nem foi inaugurado, está com um dos andares cheios de máquinas. Para desafogar esse imóvel e os corredores das delegacias, Paulo Neto diz ter pedido ajuda da Prefeitura para viabilizar depósitos.

Na semana passada, o delegado-geral também assinou uma portaria para padronizar as questões relacionadas aos caça-níqueis em todo o Estado. Entre as normas, destaca-se um relatório que deve ser obrigatório a todos os delegados titulares dos distritos. No documento, os titulares terão de prestar contas a Paulo Neto.

A Polícia Civil quer punir com processos de improbidade os delegados que forem omissos no combate aos jogos com máquinas. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: máfia dos caça-níqueis

    Leia tudo sobre: caça níquelcaça-níqueis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG