O corregedor nacional de Justiça, ministro Gilson Dipp, propôs ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a abertura de processo disciplinar para investigar as denúncias contra o desembargador Frederico Guilherme Pimentel, presidente afastado do Tribunal de Justiça (TJ) do Espírito Santo. Pimentel foi um dos oito presos na Operação Naufrágio da Polícia Federal (PF), que na semana passada desarticulou uma quadrilha comandada por magistrados no Espírito Santo, acusada de venda de sentenças e crimes contra a administração pública.

Segundo o site do CNJ, o corregedor reconheceu que o inquérito elaborado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) dispensaria a realização de sindicância, já que seria uma "superposição daquilo que já foi investigado". Contudo, Dipp afirmou que será o colegiado do CNJ quem irá definir a condução dos procedimentos. De acordo com o corregedor, após a abertura de um processo, o relator pode propor o afastamento do desembargador.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.