A nota enviada anteriormente contém um erro. O comunicado do PSDB sobre o grampo ilegal no STF será divulgado no horário eleitoral gratuito dos candidatos do partido às prefeituras nos próximos dias, e não hoje.

Segue o texto corrigido:

Insatisfeita com medidas tomadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para apurar a responsabilidade do grampo telefônico entre o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), a oposição decidiu reagir e ampliar a mobilização, envolvendo todos os partidos políticos - inclusive os da base aliada -, o Ministério Público (MP) e setores da sociedade, como Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

Apesar de afirmar que "ninguém quer atingir Lula", o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), cobrou: "É preciso que o presidente assuma sua autoridade e seu comando", afirmou o senador, depois da reunião da Executiva Nacional do partido. Antes, Guerra recebeu os presidentes do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), e do PPS, Roberto Freire, quando tomaram algumas iniciativas conjuntas.

Além de pedir uma investigação independente, para que a apuração não fique apenas nas mãos de órgãos do governo federal, eles vão procurar outros dirigentes partidários. "Isso não é uma questão de partido, de oposição ou governo, é das instituições. A defesa do governo é de dispersão e banalização do episódio. A sociedade tem que reagir pois a democracia está sendo ameaçada", disse Sérgio Guerra. "A oposição vai reagir e isso nada tem a ver com as eleições mas com a democracia."

Apesar de afirmar que o grampo não será objeto da campanha eleitoral, o senador informou que o PSDB vai divulgar um comunicado nos próximos dias no horário eleitoral gratuito de todos os candidatos do partido às prefeituras.

Presidente do Senado

A oposição manifestou também irritação com a atitude do presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), que não teria assumido uma postura enérgica frente à escuta clandestina, como se o problema não tivesse atingido o Congresso, além do Judiciário. O PSDB vai exigir uma sessão conjunta para que Garibaldi informe que providências tomou em relação ao episódio.

A proposta do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi aprovada pelo comando nacional do partido e será levada aos demais dirigentes partidários. "É inconcebível que o presidente do Senado não tenha tomado medidas enérgicas", afirmou Sérgio Guerra, para quem Garibaldi não agiu para fortalecer a autoridade do Legislativo e exigir o respeito das instituições.

CPI

A pedido dos líderes na Câmara e no Senado, o comando nacional do PSDB apoiou a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) nas duas Casas para investigar especificamente o grampo da conversa telefônica entre Gilmar Mendes e Demóstenes. Ao criticar as iniciativas "secundárias" do governo, Sérgio Guerra reforçou a posição do DEM que defende a demissão do ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Félix. "Ele já devia ter sido demitido por omissão, incompetência ou atuação."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.