A direção da ONG SaferNet comunicou esta noite que os dados divulgados pela agência Mark Assessoria & Comunicação são inverídicos e a agência não representa a ONG. Segundo a ONG SaferNet, os dados da pesquisa estão corretos, mas referem-se à internet como um todo e não apenas ao Orkut.

A seguir, a explicação do fato:

O presidente da ONG SaferNet, Thiago de Oliveira, informou hoje à noite, em telefonema à Agência Estado , que os dados publicados na matéria "Crimes no Orkut aumentam em 240% em 6 meses, diz ONG", foram usados pela agência Mark Assessoria & Comunicação de forma indevida, pois se referem a crimes cometidos na internet como um todo e não se restringem ao site de relacionamentos Orkut, como divulgou a agência. Além disso, Oliveira destacou que a Mark Assessoria & Comunicação não é representante da SaferNet e não tem nenhuma ligação com a ONG, conforme a agência divulgou em comunicado para a imprensa.

Oliveira disse crer que a Mark Assessoria & Comunicação tenha divulgado essa versão à imprensa para coincidir com a notícia de que a Google entrou com uma ação cautelar na Justiça para proteger o sigilo de seus usuários, com objetivo de prejudicar a Google. A SaferNet vai apurar o fato e o motivo da agência ter se passado por sua representante.

A reportagem da Agência Estado recebeu os dados, por e-mail, da Mark Assessoria & Comunicação por volta das 16 horas de hoje e, em seguida, telefonou para a assessoria de imprensa da agência para confirmar o conteúdo da informação. A assessoria confirmou os dados. A reportagem da Agência Estado também entrou em contato com a assessoria de imprensa da SaferNet para confirmar os números. A assessoria da ONG confirmou a pesquisa, pensando se tratar de números gerais da internet e não referentes ao Orkut, como informou a Mark Assessoria & Comunicação. Após o telefonema do presidente da SaferNet, a reportagem da AE tentou, várias vezes, entrar em contato com a Mark Assessoria & Comunicação para ouvir a explicação da agência, mas os telefones não atendiam mais e os recados deixados não foram respondidos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.