Tchê, tenho péssimas notícias. Foi com essa frase impregnada de sotaque gaúcho e reveladora de uma longa amizade que o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, informou ao delegado Romero Menezes - suspeito de advocacia administrativa, corrupção passiva e tráfico de influência e acusado de ter vazado informações sigilosas da Operação Toque de Midas, que investigava indícios de fraude em licitação para beneficiar a empresa MMX Logística, subsidiária da EBX, do empresário Eike Batista - que ele estava preso.

Informado da ordem de prisão de seu principal auxiliar na tarde de segunda-feira, Corrêa teve uma noite insone e chegou ao Máscara Negra - como é chamado edifício-sede da PF - com o roteiro da prisão.

Para não despertar desconfianças e evitar vazamentos, ele não desmarcou a reunião do Conselho Superior de Polícia, que ocorre a cada três meses. Às 9h30, Corrêa abriu a reunião, no auditório, com os cinco superintendentes regionais e avisou que precisaria interrompê-la para tomar uma medida "drástica", pedindo aos presentes que aguardassem seu retorno.

A seguir, Corrêa subiu ao seu gabinete, no 9º andar, e convocou o corregedor da PF, José Ivan Guimarães Lobato, e dois outros integrantes da cúpula: o diretor de Inteligência, Daniel Lorenz, e o diretor da Divisão de Combate ao Crime Organizado, Roberto Troncon. Aos três relatou a ordem de prisão que teria de cumprir naquele instante.

Corrêa mandou, então, chamar Menezes ao gabinete. O delegado chegou às 9h50 em ponto. Corrêa o recebeu em pé ao lado dos três delegados e anunciou: "Tchê, tenho péssimas notícias." A seguir, deu voz de prisão ao auxiliar e, como manda a lei, leu o despacho do juiz Anselmo Gonçalves da Silva, da 1ª Vara da Justiça Federal de Macapá. Com apenas três parágrafos, sendo o primeiro de qualificação do juiz e o segundo para descrever os tipos penais investigados, o despacho é curto e objetivo. Só no último parágrafo é determinada a prisão temporária de Menezes, com o objetivo de resguardar a coleta de provas.

Corrêa não escondeu a emoção enquanto lia o despacho do juiz. Ele definiu a prisão do auxiliar e amigo de décadas como "um dos atos mais constrangedores e desconfortáveis" da sua vida. "Me poupem dos detalhes", pediu, ao relatar o fato a outros delegados. Policial experiente, conhecido por sua frieza, Menezes não mexeu um músculo. Perguntou onde deveria assinar, esticou a mão para pegar o papel e disse que estava absolutamente tranqüilo quanto à investigação.

A seguir, foi desarmado e recolhido a uma sala, onde ficou o resto do dia à disposição do delegado encarregado do inquérito e do Ministério Público. À noite, foi transferido para sala especial da Superintendência da PF, no Distrito Federal, onde cumprirá prisão temporária de cinco dias, renováveis por mais cinco.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.