Corpos de Glauco e filho são recebidos sob aplausos antes de enterro

Os corpos do cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, e de seu filho Raoni, de 25, foram recebidos sob aplausos de dezenas de pessoas que compareceram ao enterro dos dois no Cemitério Parque Gethsemani Anhanguera, localizado na altura do quilômetro 23,4 da Rodovia Anhanguera, na Vila Sulina, zona norte da capital paulista. O enterro, inicialmente previsto para às 9 horas, deve ocorrer até as 10 horas.

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Muito emocionados, os presentes, alguns usando a farda - roupa branca característica do Santo Daime -, entoaram hinos do Santo Daime durante a cerimônia de despedida. Glauco era fundador da Igreja Céu de Maria, inspirada nos cultos do Santo Daime.

Futura
Descrição: Enterro do Cartunista Glauco Villas Boas e seu Filho, Raoni, no cemitério Gethsêmani Anhanguera, na Vila Sulina em São Paulo na manhã deste sábado. Na foto: chegada dos dos corpos na capela do cemitério minutos antes do sepultamento.

Caixões foram cobertos com bandeiras do Santo Daime

O caixão de Glauxo estava coberto por bandeira do São Paulo, uma do Santo Daime e por um berimbau. O de Raoni estava com uma bandeira do Santo Daime e uma do Corinthians.

Glauco e seu filho foram assassinados na madrugada de ontem no Jardim Santa Fé, extremo norte de Osasco, no limite com Barueri, na Grande São Paulo. Muitas pessoas compareceram ao velório. Durante toda a madrugada deste sábado a imprensa não teve acesso ao interior da casa onde foi velado. 

O principal suspeito do duplo homicídio , o estudante universitário Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, continuava foragido até o início da manhã deste sábado.

O rapaz, segundo as testemunhas e a polícia, teria invadido a chácara da vítima com pistola em punho. Segundo as investigações, ele queria sequestrar o cartunista e a família e levá-los a sua casa. Acabou disparando dez vezes, acertando quatro tiros em cada vítima.

Carreira

AE
Glauco em foto de 1986
Nascido em 1957, em Jandaia do Sul, no Paraná, Glauco Villas-Boas publicou sua primeira tira em 1976 no Diário da Manhã, de Ribeirão Preto. A carreira decolou após ser premiado no Salão Internacional de Humor de Piracicaba, também em 1976, e na 2ª Bienal de Humorismo y Gráfica de Cuba.

Glauco começou a publicar suas tiras no jornal "Folha de S.Paulo" de maneira esporádica em 1977 e, em 1984, os desenhos passaram a ser regulares. Ele desenvolveu os personagens Geraldão, Casal Neuras, Doy Jorge, Dona Marta e Zé do Apocalipse.

Como redator, fez parte do elenco de redatores da TV Pirata, da Rede Globo. Músico, também tocava em bandas de rock.

Em parceria com os cartunistas Angeli e Laerte, lançou os "Los Três Amigos", tira com histórias sarcásticas que também eram publicadas pela Folha. Em 2006, publicou o livro "Política Zero", com 60 charges sobre a crise no governo Lula.

*Com informações da Agência Estado

Leia mais sobre: Glauco

    Leia tudo sobre: glauco villas boas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG