Cordão dos cegos volta às ruas no Rio

Entre os blocos que animarão o carnaval de rua do Rio, um vai chamar a atenção pela condição especial de seus foliões. Improvisado no ano passado, o bloco “Beijamin no Escuro” promete voltar às ruas da Urca na terça-feira de carnaval com o cordão de deficientes visuais dos programas de reabilitação do Instituto Benjamin Constant (IBC), a mais tradicional instituição de educação para cegos do País.

Agência Estado |

Cerca de cem pessoas com diferentes graus de deficiência visual vão desfilar, mas quem enxerga é bem-vindo e pode experimentar sambar no escuro usando as vendas que serão distribuídas na hora.

“Vamos dar as vendas, mas não é obrigatório; a maioria não suporta muito tempo. No ano passado, os cegos não tiveram problema de orientação. Tivemos de cuidar mesmo dos videntes vendados, que se enrolam mais”, conta o engenheiro Fernando Gutman, voluntário que lidera uma oficina de teatro entre os reabilitandos do IBC. “O pessoal do teatro adora samba, marchinhas, mas não pode ir aos grandes blocos pelo risco de ser atropelados pela multidão. Então resolvemos fazer o primeiro bloco de cegos do Brasil.”

Foi ostentando esse título que o bloco desfilou em 2008 pela Avenida Pasteur até a estação do bondinho do Pão de Açúcar, atraindo vizinhos e turistas. Neste ano, com mais organização, esperam maior adesão. Para cantar o enredo sobre o bicentenário de Louis Braille, criador da escrita para deficientes visuais, o samba das deficientes visuais Lucia Teles e Ro Ferreira foi escolhido numa eliminatória. No fim de semana, eles fazem ensaio técnico que inclui saudações aos turistas em várias línguas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG