Controle externo da PF defendido por Mendes é pertinente, diz Tarso Genro

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, Tarso Genro, avaliou nesta quarta-feira como ¿pertinente¿ a ideia do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, de criar uma corregedoria judicial de polícia para evitar os abusos de poder dentro da Polícia Federal (PF).

Carol Pires, Último Segundo/Santafé Idéias |

A sugestão do ministro Gilmar Mendes em criar um órgão para controle externo da PF foi dada depois de que o delegado Protógenes Queiroz, que comandou por um ano e meio a Operação Satiagraha, responsável pela prisão do banqueiro Daniel Dantas, foi acusado de usar meios ilegais para investigar diversas autoridades, como a ministra Dilma Rousseff, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.  

Na avaliação do ministro Tarso Genro, o Ministério Público funciona como um órgão de fiscalização da Polícia Federal, mas que outras instituições podem ajudar neste trabalho, contanto que se mude a legislação para tal. Hoje, apenas Ministério Público pode investigar a PF. Existe um controle externo do Ministério Público. O que o ministro Gilmar propõe é que se trabalhe outras instituições para isso. Eu sou favorável, disse Tarso.

Todas as decisões sobre controle do Estado brasileiro temos que pensar sempre que a democracia tem uma relação de controle singular.  Os Poderes têm mecanismos de controles internos e devem ter de controle externo", afirmou. Mas acho que o tema levantado por Gilmar Mendes é um tema pertinente. 

Tarso Genro participou hoje de uma reunião da Comissão de Relações Exteriores no Senado, onde defendeu a concessão de asilo político ao italiano Cesare Battisti, acusado na Itália de assassinar quatro pessoas na década de 70, quando era ativista político de extrema esquerda. 

    Leia tudo sobre: tarso genro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG