Controle da obesidade reduz câncer de mama em 28%

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) divulgou pesquisa hoje sobre a estratégia mais eficaz para prevenir o câncer: alimentação, peso do corpo em acordo com o tamanho e prática regular de exercícios físicos. No caso do tumor líder em causa de morte das mulheres brasileiras, diz o Inca, é possível reduzir em 28% os casos de câncer de mama por meio de uma dieta equilibrada atrelada às atividades com o corpo, além de distância das taxas de obesidade. Os dados foram divulgados na data em que o mundo celebra o Dia Mundial do Câncer.

Fernanda Aranda, iG São Paulo |

No caso do tumor líder em causa de morte das mulheres brasileiras, diz o Inca, é possível reduzir em 28% os casos de câncer de mama por meio de uma dieta equilibrada atrelada às atividades com o corpo, além de distância das taxas de obesidade. Os dados foram divulgados na data em que o mundo celebra o Dia Mundial do Câncer.

Já é sabido que 90% das causas de câncer de mama são ambientais. Apenas a minoria tem como influência mais marcante a genética, afirmou a mastologista Maira Callefi, presidente da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama).

A vice-presidente da América Latina da American Cancer Society (ACS), Alessandra Dursitine, ressalta que, mesmo quando o câncer de mama não é hereditário, nem sempre é possível prevenir todas as causas. É óbvio que o consumo de álcool e tabaco e a alimentação inadequada têm influência na disseminação de câncer de mama, afirma. Mas alguns fatores não são preveníveis, como é o caso da idade da primeira menstruação e da menopausa, dois fatos importantes para a presença do tumor, completa a especialista.

O câncer de mama, pelas estimativas do Inca, deve fazer 49 mil novas vítimas ao longo de 2010, sendo que 12 mil delas não vão sobreviver. A taxa de mortalidade, de 24,4%, é quase dez pontos porcentuais acima do que a registrada nos Estados Unidos da América, que é de 15%. O Ministério da Saúde, em levantamento recente, mostrou que o câncer de mama influencia até na mortalidade de mulheres jovens. É a quinta causa de mortalidade na faixa-etária entre 10 e 49 anos.

Gustavo Azenha, diretor brasileiro da American Cancer Society, lembra que além da prevenção é preciso o diagnóstico precoce. O câncer de mama é muito peculiar. É diferente do câncer de pulmão em que já se sabe a influência direta do cigarro. Se a pessoa não fuma, o risco de ter câncer no pulmão cai 90%. No câncer de mama, a equação não é tão simples, explica.

Influência geral

No caso dos tumores malignos pulmonares, afirma o estudo do Inca, os riscos de desenvolvimento são reduzidos em 36% com a adoção de hábitos alimentares saudáveis, peso adequado e prática de exercícios físicos. O trio, inclusive, tem impacto significativo na redução de 12 tipos de câncer, os mais presentes na população brasileira.

A combinação de alimentação saudável com atividade física é capaz de prevenir 63% dos casos de câncer de boca, faringe e laringe; 60% dos tumores de esôfago e 52% dos casos em que a doença atinge o endométrio. O controle da obesidade, problema endêmico de saúde no mundo todo, poderia evitar 19% dos casos totais de câncer.

O estudo faz parte das Políticas e Ações para a Prevenção do Câncer no Brasil, Alimentação, Nutrição e Atividade Física, lançado pelo Inca, em parceria com o Fundo Mundial de Pesquisa contra o Câncer.

Veja impacto da redução dos casos de câncer com alimentação, atividade física e gordura corporal adequada (valores porcentuais)

Boca, faringe e Laringe ¿ 63%

Esôfago ¿ 60%

Endométrio ¿ 52%

Estômago ¿ 41%

Colorretal ¿ 37%

Pulmão ¿ 36%

Pâncreas ¿ 34%

Mama ¿ 28%

Rim ¿ 13%

Vesícula ¿ 10%

Fígado ¿ 6%

Total para todos os cânceres ¿ 19%

Fonte: Inca

    Leia tudo sobre: câncercâncer de mama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG