Conselho tutelar vai visitar irmãos de Isabella Nardoni na segunda-feira, diz TV

SÃO PAULO - Na próxima segunda-feira, membros do Conselho Tutelar vão visitar os irmãos de Isabella Nardoni, Pietro, de 3 anos, e Cauã, de 1 ano. Segundo o advogado Ariel de Castro Alves, do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), no último dia 30, membros do Conselho Tutelar estiveram no apartamento dos pais de Anna Carolina Jatobá, mas foram impedidos de verem as crianças pelo pai Alexandre Nardoni. Indiciados pela polícia como principais suspeitos pela morte de Isabella, que foi jogada do prédio no dia 29 de março, o casal está há 19 dias dentro do apartamento, em Guarulhos. As informações são da GloboNews.

Redação |


Equívocos em inquérito

A Polícia Civil de São Paulo incluiu informações equivocadas e omitiu outras no relatório enviado à Justiça sobre o assassinato da menina Isabella Nardoni, segundo informações do jornal "Folha de S. Paulo" deste sábado.

Reprodução
Isabella deixou dois meio-irmãos
De acordo com o jornal, a delegada Renata Pontes informa em seu relatório que o coordenador em segurança Waldir Rodrigues de Souza, morador do prédio vizinho ao London, ouviu uma grande discussão entre uma mulher e um homem, supostamente do casal Nardoni, momentos antes de escutar gritos sobre a queda de Isabella no jardim do edifício.

No documento enviado à Justiça, a policial descreve que o morador afirmou ter chegado em seu apartamento às 23h30. Na íntegra do depoimento de Souza, no entanto, é possível verificar que ele disse ter chegado às 21h30 ao apartamento.

Ainda segundo a "Folha", o vizinho afirmou que briga ocorreu por volta "das 23h", "durou cerca de 15 minutos", e que ouviu uma mulher dizendo "jogaram a Isabella do sexto andar" tendo "visto claramente o horário no relógio que indicava 23h23".

Porém, segundo o relatório, o carro da família Nardoni, um Ford Ka, desligou seu motor na garagem do edifício London às 23h36m11. A menina foi jogada ao gramado, ainda segundo a polícia, às 23h49m19, ou 26 minutos após o horário que Souza relatou.

De acordo com a publicação, a Secretaria de Segurança Pública informou que não comenta mais o caso Isabella, incluindo o relatório, porque o inquérito já foi relatado e enviado à Justiça.

O caso

AE
Isabella era filha do consultor jurídico Alexandre Alves Nardoni e da bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira. A cada 15 dias, ela visitava o pai e a madrasta Anna Carolina Jatobá.

No sábado, dia 29 de março, a garota foi encontrada morta no jardim do prédio em que o pai mora. A polícia descartou desde o princípio a hipótese de acidente. O delegado titular do 9º Distrito Policial Carandiru, Calixto Calil Filho, declarou que Isabella foi jogada da janela do apartamento por alguém.

O delegado destacou o fato de a tela de proteção da janela do quarto ter sido cortada e de ninguém ter dado queixa de desaparecimento de pertences no local.

O pai teria alegado à polícia que um homem invadiu o seu apartamento. Ele e Anna Carolina afirmam ser inocentes e, por meio de cartas e em entrevista ao programa "Fantástico", da TV Globo, disseram esperar que "a justiça seja feita".

MAIS NOTÍCIAS SOBRE O CASO:

VÍDEOS DO CASO ISABELLA

Laudos

Depoimentos

Prisão

Reprodução

Isabella em vídeo

OPINIÃO

    Leia tudo sobre: caso isabella nardoni

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG