BRASÍLIA - O Congresso brasileiro aprovou nesta segunda-feira o envio de até 1.300 militares adicionais ao Haiti, país devastado por um forte terremoto no último dia 12. A ideia do governo é enviar imediatamente 900 militares, dos quais 750 serão de infantaria e 150 do efetivo da polícia do Exército. Os demais 400 militares seriam mobilizados se futuramente o governo achar necessário.

"Diante da crise e do estado de calamidade em que se encontra hoje o Haiti, da solicitação de apoio da ONU, de nossos compromissos internacionais e, sobretudo, o nosso dever de prestar a devida ajuda humanitária a um povo irmão, o Brasil não pode se furtar a cumprir seu papel de líder internacional frente à crise haitiana e a prestar o auxílio devido", declarou em seu voto o relator da matéria, deputado Mauro Benevides (PMDB-CE).

A proposta aprovada dobra o contingente brasileiro no país caribenho, onde o Brasil lidera a missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), conhecida como Minustah, que tem um contingente de aproximadamente 9 mil membros - sendo 7 mil militares.

Na semana passada, o Conselho de Segurança da ONU aprovou, por unanimidade, o aumento temporário no número de tropas e policiais da entidade no Haiti em 1,5 mil policiais e 2 mil soldados para ajudar a manter a segurança e ajudar nos esforços humanitários.

Cerca de 3 mil presos fugiram da cadeia depois do tremor de magnitude 7 que abalou principalmente a capital Porto Príncipe e pode ter matado até 200 mil pessoas. Saques e tumultos também ocorreram na sequencia da tragédia.

Integrante da base aliada, o senador Epitácio Cafeteira (PTB-MA) criticou a iniciativa do governo. Para ele, o Executivo deveria primeiro dar atenção às vítimas de enchentes e desabamentos em todo o Brasil.

"O Brasil não está em condições de ajudar, mas de ser ajudado", argumentou.

A oposição, entretanto, apoiou a medida do governo. Para o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Eduardo Azeredo (PSDB-MG), o Brasil tem capacidade para atuar nas duas frentes.

"Não devemos faltar neste momento (no Haiti). O Brasil tem condições financeiras de fazer esse apoio", destacou Azeredo.

A matéria foi debatida e votada por uma comissão representativa de deputados e senadores, uma vez que o Congresso está em recesso.

Veja também:


Leia mais sobre
terremoto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.