Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Congresso analisa nesta terça-feira vetos de Lula que liberaram obras da Petrobras

Os vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Orçamento da União de 2010 serão apreciados nesta terça-feira em sessão conjunta do Congresso Nacional, às 19 horas. Os vetos retiraram quatro empreendimentos da Petrobras da lista de obras com indícios de irregularidades graves encontrados em auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU).

iG São Paulo |

Se os vetos caírem, as obras da empresa petrolífera não poderão receber recursos até que os problemas apontados pelo TCU sejam resolvidos. Entre as irregularidades citadas estão sobrepreço, pagamento de equipamentos parados pelo mesmo valor dos equipamentos em operação, ausência das planilhas de custos e obstrução à fiscalização dos auditores.

A realização da sessão conjunta foi definida na última quarta-feira, em reunião dos líderes partidários na Câmara. No Senado, também houve um acordo partidário. A oposição chegou a anunciar que só votaria os projetos do pré-sal remanescentes na pauta após a análise dos vetos. Ainda não está definido se outros vetos presidenciais serão apreciados pelos parlamentares.

Após o encerramento da sessão não deliberativa desta segunda, o presidente do Senado, José Sarney, informou que além dos dois vetos ao Orçamento, outros vetos poderão ser analisados se os líderes partidários apresentarem pedido de urgência.  O pedido de urgência poderá ser feito durante a leitura dos vetos e tem o poder de cortar os prazos regimentais.

Histórico
O anexo 6 da lei orçamentária contém 24 obras com suspeitas de irregularidades que tiveram os repasses federais bloqueados. Destes empreendimentos, quatro pertencem à Petrobras ¿ a construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco; a ampliação da refinaria presidente Getúlio Vargas, no Paraná; a construção do terminal de escoamento de Barra do Riacho, no Espírito Santo; e o complexo petroquímico do Rio de Janeiro. As duas refinarias fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

As irregularidades foram encontradas em alguns contratos das obras, e não nos empreendimentos como um todo ¿ é comum, em obras de grande porte, a existência de dezenas de contratos. Nesses casos, o bloqueio incide somente sobre os contratos irregulares. Os demais continuam a ser tocados normalmente.

Na mensagem de veto encaminhada ao Congresso, o presidente Lula apontou três razões para manter a continuidade dos empreendimentos da Petrobras. Primeiro, a paralisação das obras acarretaria o desaparecimento de 25 mil empregos, além de custos mensais de R$ 268 milhões em equipamentos parados, desmobilização de funcionários e manutenção do canteiro de construção.

Depois, os contratos incluídos no anexo já estariam com 90% da execução física concluída, e a interrupção geraria atraso no início da operação das unidades, com perda de receita mensal estimada em R$ 577 milhões. Por fim, segundo a mensagem, o grupo de trabalho criado pelo Congresso, com a participação de representantes do TCU, do Ministério de Minas e Energia, da Casa Civil e da Petrobras, já havia identificado a viabilidade de regularização das pendências apontadas pelos auditores do tribunal.

Independentemente da votação dos vetos, a lei orçamentária determinou ao TCU que promova uma auditoria no sistema de custos da Petrobras. O objetivo é entender como a empresa monta os preços das obras e serviços contratados. A companhia alega que não pode seguir as tabelas oficiais de custo porque as obras da indústria do petróleo tem especificidades próprias. O resultado da fiscalização será remetido à Comissão Mista de Orçamento.

A análise dos vetos pode, porém, não encerrar a discussão desse assunto. Pelas regras orçamentárias, a Comissão de Orçamento pode, a qualquer momento, votar um projeto de decreto legislativo retirando, ou mantendo, obras do anexo 6 da lei orçamentária, caso entenda que os problemas verificados pelo TCU não foram resolvidos. A votação se dá em caráter terminativo, ou seja, não precisa passar pelo Plenário do Congresso.

*com informações da Agência Câmara e Agência Senado

Leia mais sobre: Congresso - vetos

Leia tudo sobre: congressolula

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG