Confirmados 1 morte e 2 feridos em operação na Rocinha

Uma operação na Rocinha, que reuniu 200 policiais de sete delegacias especializadas, deixou hoje um suspeito morto e outro ferido. Houve intenso confronto.

Agência Estado |

Uma empregada doméstica, que dormia em casa no momento do tiroteio, foi atingida por balas perdidas. Uma loja de colchões pegou fogo. Durante a ação, a polícia apreendeu uma suposta ata de uma reunião com determinações sobre como será a campanha eleitoral na favela.

O objetivo da operação era localizar um paiol de armas e recuperar carros roubados. Os policiais também estavam atrás de traficantes do Complexo do São Carlos, inclusive os suspeitos de terem assassinado os moradores do Morro da Providência entregues por militares ao tráfico do Morro da Mineira. Na terça-feira, uma operação na região com esse mesmo objetivo foi frustrada, provavelmente, por vazamento de informações: 300 policiais só conseguiram deter um adolescente e um suspeito.

Hoje, a polícia chegou à Rocinha no início da manhã. Quinze homens armados com pistolas e fuzis tentaram impedir a entrada dos agentes. Na troca de tiros, uma bala teria atingido o depósito de uma loja de colchões, que pegou fogo, controlado pelos bombeiros do Quartel da Gávea. A casa em que estariam escondidos os traficantes do São Carlos chegou a ser localizada, mas os criminosos fugiram.

Maria Eva Rodrigues, de 46 anos, dormia em casa, com o filho de 11 anos, quando foi atingida por tiros nas nádegas e nas costas. Ela foi levada para o Hospital Miguel Couto. Segundo a assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Saúde, Maria Eva sofreu fratura na bacia, mas não precisou passar por cirurgia. Um suspeito também ficou ferido e seu quadro é estável. Seu nome não foi divulgado.

Ata

No documento apócrifo apreendido pela polícia, que seria ata de uma reunião de traficantes, era pedido "todo empenho para o candidato da Rocinha". "Não aceito derrota! Ninguém trabalhando para candidato de fora/não agendar visita/não convidar para eventos", informava o texto. Em outro trecho, o documento dizia que "pedido do candidato da Rocinha não pode ser negado em nenhum segmento (vans, mototáxi, etc)".

A Polícia Civil também fez operação na Favela do Jacarezinho, na zona norte da capital fluminense. Eles estavam em busca de três homens suspeitos do assassinato do secretário-geral da executiva municipal do PDT, Jorge Vieira. Foram apreendidos 16 quilos de maconha e sete granadas. Um suspeito de ligação com o tráfico na favela, cujo nome não foi divulgado, foi preso.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG