A Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde da Bahia confirmou na manhã de hoje a primeira morte no ano por dengue hemorrágica na cidade de Itabuna. Hanna Victória Santos Miranda, de 4 anos, que estava internada desde a última quinta-feira, morreu na madrugada de ontem.

Com esta confirmação, o Estado registra a quinta morte por dengue hemorrágica, todas de crianças. Foram três em Porto Seguro, no litoral sul baiano, e uma em Jequié, também no sudoeste do Estado. Há outros dois casos em Itabuna, que vitimaram mulheres, sob investigação.

A cidade decretou nesta terça-feira o estado de emergência por causa da doença. De acordo com o secretário de Saúde de Itabuna, Antonio Vieira, o estado de emergência foi decretado porque o município registra, este ano, 900 casos suspeitos da doença, quase metade do registrado em todo o ano passado (2 mil). Dos casos, há nove da forma mais grave da dengue.

No principal centro de saúde do município, o Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, dão entrada, desde a semana passada, 80 pacientes com suspeita de dengue por dia. Na maioria dos casos, crianças. Além disso, o índice de infestação predial do Aedes aegypti mantém-se em elevação - dos 16,5% registrados pelo Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (Liraa) em novembro, o índice já passou para 22%.

Em bairros periféricos chega a 34%, quando o máximo tolerável, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é de 1%. "O trabalho preventivo, em especial nos meses de agosto e setembro, não foi realizado pela administração anterior e estamos vendo os resultados disso agora", disse o secretário. "Cerca de 70% dos focos de mosquitos encontrados estão em residências."

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde da Bahia anunciou que vai iniciar, ainda nesta semana, a aplicação do chamado "fumacê" em toda a cidade, como principal ação do plano emergencial para conter o avanço da doença. Até agora, a aplicação do inseticida estava restrita aos locais onde havia notificação de casos de dengue.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.