Condenada por rombo no INSS, Jorgina de Freitas é solta no Rio

Responsabilizada por fraude de R$ 1,2 bilhão nos anos 90, ex-advogada ganha a liberdade, mas terá que ressarcir cofres públicos

iG Rio de Janeiro |

A ex-advogada Maria Jorgina de Freitas, que ganhou notoriedade por ter participado, nos anos 90, do rombo de cerca de R$ 1,2 bilhão do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), foi solta no sábado (12) no Rio de Janeiro.

O alvará de término de pena chegou à tarde no Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica, zona norte do Rio, e foi liberada na tarde de sábado (12). Ela cumpria pena no regime semiaberto. Antes ela cumpriu pena no presídio Nelson Hungria, em Bangu, na zona oeste.

Jorgina foi condenada a 14 anos de prisão em julho de 1992, mas fugiu para a Costa Rica, onde ficou até 1997, quando foi recapturada. O esquema de fraudes consistia no pagamento de indenizações falsas. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) cassou seu registro profissional em 2001.

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal negou recurso de Jorgina apelando da sentença que a condenou pelas fraudes. Com isso, apesar de ter ganho a liberdade, Jorgina ainda terá que devolver R$ 200 milhões aos cofres públicos. Seus bens continuam indisponíveis e 57 imóveis no nome dela devem ir a leilão.

    Leia tudo sobre: Jorgina de Freitasfraudecofres públicosINSS

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG