Como encarar a menopausa

Como encarar a menopausa Por Andressa Zanandrea São Paulo, 10 (AE) - Ondas de calor, insônia, irritabilidade, depressão e perda da libido são sintomas típicos da menopausa. Mas não é preciso encará-los.

Agência Estado |

Esse período pode ser apenas aquele em que não se menstrua, sem todos esses efeitos desagradáveis. Opções de tratamento, das tradicionais terapias de reposição hormonal à medicina oriental, não faltam.

"A menopausa é caracterizada pela diminuição na produção de hormônios femininos, o que provoca reações diversas no organismo, além de aumentar os riscos de doenças cardiovasculares e osteoporose. São problemas ligados à redução do nível do hormônio estrogênio", explica a ginecologista e obstetra Valéria Dória Mendes da Costa.

Além da terapia hormonal, que varia de acordo com o perfil de cada paciente, a médica indica alimentação rica em cálcio - leite e derivados -, vegetais e peixes, como salmão, sardinha e manjuba. Segundo ela, a prática de atividades físicas e fazer terapias ocupacionais também colaboram no abrandamento dos sintomas. "Alimentação, nível de estresse e outros problemas emocionais podem interferir na forma como o climatério se manifesta". O tratamento deve também incluir terapias para trabalhar aspectos psicológicos, uma vez que a depressão é bastante frequente em mulheres que entram na menopausa.

Na opinião da ginecologista e obstetra Denise Coimbra, a melhor maneira de se fazer a reposição hormonal é com implantes de estrogênio, que manifestam os efeitos em até 15 dias. A aplicação é rápida, na região lombar ou glútea, com anestesia local, e feita pelo médico no consultório. "Eles duram seis meses, um ano, ou até três e têm resposta imediata e constante para as queixas".

Fazer a reposição hormonal, praticar exercícios e comer bem favorece o sexo, de acordo com Valéria. "A atividade sexual nessa fase da vida tende a ser mais prazerosa, pois não há a preocupação com a gravidez, além de se conseguir chegar ao orgasmo de forma mais fácil".

A medicina oriental, no entanto, é, em geral, contrária à terapia de reposição hormonal. "Todo medicamento sobrecarrega o fígado, o estômago e enfraquece os rins", explica Alice Keiko, especialista em medicina oriental há mais de 20 anos. Ela afirma que, somado às condições do corpo, o estresse acentua os sintomas, que podem ser tratados com acupuntura e ervas chinesas. O tratamento varia de acordo com cada pessoa.

Alice tem 55 anos e há cinco parou de menstruar. "Não sinto nada. Desde criança tomo sopa de soja e minha alimentação não tem refrigerante nem gordura. Também faço meditação, ioga e alongamento. Você é na menopausa o reflexo do que foi a vida toda ".

Boxe:
TRATAMENTOS

HORMÔNIOS
A terapia hormonal é a mais indicada pelos ginecologistas para se driblar os sintomas típicos da menopausa. Ela melhora a libido, diminui a secura vaginal e ameniza ondas de calor (fogachos), insônia e depressão. No entanto, a reposição hormonal não é indicada a mulheres que têm câncer ou fazem tratamento para a doença, alerta a ginecologista e obstetra Valéria Dória Mendes da Costa. O tratamento pode combinar o estrogênio e a progesterona ou privilegiar apenas um, de acordo com os problemas da paciente. Os estrogênios podem ser administrados por via oral, adesivos, gel de absorção percutânea, implantes e até spray nasal. Já os progestágenos, por via oral.

MEDICINA ORIENTAL
A medicina chinesa é contrária à reposição hormonal. "Em geral, não precisa fazer. Apenas em casos em que o estrogênio está muito baixinho", explica Alice Keiko, especialista em medicina oriental há mais de 20 anos. Para aliviar os sintomas típicos da menopausa, os orientais recorrem à acupuntura - que reequilibra a parte hormonal, energética e emocional - e às ervas chinesas, que podem ser administradas como chá ou em pílulas. Em períodos de crise, as sessões com as agulhas são feitas duas vezes por semana. Depois, passam para uma vez por semana. O tratamento dura, em média, de seis meses a dois anos, e pode começar a ser feito na pré-menopausa.

ALIMENTO DE SOJA
As isoflavonas de soja imitam a ação do estrogênio no corpo. Dessa forma, consumi-las abranda os sintomas da menopausa. Uma forma de fazê-lo é com o alimento Previna, à base do isolado proteico da soja e enriquecido com cálcio. "A maioria não sente mais nada. Cerca de 30%, que têm sintomas mais intensos, sentem que eles são abrandados", diz a coordenadora do centro de pesquisa da Sanavita, Andrea Dario Frias, PhD em Nutrição pela Universidade de São Paulo. Em dois anos de estudos, não foram verificados efeitos adversos, em contraposição à terapia hormonal, que pode levar a aumento de peso, varizes e, em longo prazo, até câncer de mama.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG