Como a ciência explica o espiritismo

Neste mês, Chico Xavier completaria 100 anos. Mesmo após quase uma década de sua morte, os espíritas continuam idolatrando-o como o médium que deixou de viver a própria vida para confortar os outros. Já os céticos desconfiam de sua capacidade de entrar em contato com os mortos, se é que existe mesmo vida após a morte. E a ciência, a cada dia que passa, dispõe de mais recursos e estudos para explicar, racionalmente, os fenômenos relacionados ao espiritismo.

Isis Nóbile Diniz, especial para o iG |

A maior dificuldade que os cientistas encontram para checar a mediunidade é enquadrar os fenômenos espíritas em métodos científicos, explica o neurologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Renato Sabbatini.  O método científico pressupõe que se deve testar repetidamente e de diferentes formas um fenômeno a fim de prová-lo. No entanto, nem sempre um médium consegue reproduzir de igual maneira a sua mediunidade ou seu suposto contato com os mortos. Existem muitas coisas que não explicamos agora, mas isso não abala a minha convicção de que usando os métodos adequados ainda iremos descobrir. Até hoje, apenas 1% do cérebro humano foi investigado. É questão de tempo e de acumulação de conhecimento, acredita.

Uma das áreas da ciência que mais possui estudos que conseguem desvendar alguns fenômenos espíritas é a medicina. O efeito placebo e o fim natural da doença são apontados por especialistas como o porquê das cirurgias espíritas funcionarem. E já foi comprovado que  as visões do além que são vistas por pessoas à beira da morte têm causa biológica: são alucinações causadas pelo excesso de dióxido de carbono na circulação sanguínea .

Por sua vez, a psicologia mostra que o inconsciente é o principal personagem para compreender porque as pessoas conseguem falar, ouvir e ver espíritos. As pessoas ouvem a voz do próprio inconsciente e a atribui aos falecidos, diz a psicóloga clínica e professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Denise Gimenez Ramos.

Confira, nos links a seguir, como a medicina, a psicologia e a física veem o espiritismo e os mistérios relacionados ao seu maior nome, Chico Xavier.




Chico Xavier: ciência tenta explicar fenômenos espíritas (Foto: Agência Estado)



Leia mais sobre: Espiritismo

    Leia tudo sobre: ciência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG