Comissão de Sindicância para apurar as denúncias da existência de cerca de 650 atos secretos, editados ao longo dos últimos 14 anos no Senado, terá o prazo de sete dias para concluir as investigações, segundo determinação do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP). Ela será formada por três servidores do Senado: Alberto Moreira de Vasconcellos Filho, Gilberto Guerzoni Filho e Maria Amália Figueiredo da Luz." / Comissão de Sindicância para apurar as denúncias da existência de cerca de 650 atos secretos, editados ao longo dos últimos 14 anos no Senado, terá o prazo de sete dias para concluir as investigações, segundo determinação do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP). Ela será formada por três servidores do Senado: Alberto Moreira de Vasconcellos Filho, Gilberto Guerzoni Filho e Maria Amália Figueiredo da Luz." /

Comissão terá sete dias para investigações de atos secretos

BRASÍLIA - A http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/06/19/sarney+fala+sobre+atos+secretos+no+senado+assista+6827916.html target=_topComissão de Sindicância para apurar as denúncias da existência de cerca de 650 atos secretos, editados ao longo dos últimos 14 anos no Senado, terá o prazo de sete dias para concluir as investigações, segundo determinação do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP). Ela será formada por três servidores do Senado: Alberto Moreira de Vasconcellos Filho, Gilberto Guerzoni Filho e Maria Amália Figueiredo da Luz.

Redação com Agência Estado |

Os trabalhos da comissão também serão acompanhados por um integrante do Ministério Público (MP) e por um auditor do Tribunal de Contas da União (TCU).

Nesta sexta-feira, durante entrevista coletiva, Sarney já havia anunciado a criação da comissão de sindicância e garantiu que ela terá independência, subordinando-se apenas à Mesa do Senado.

O presidente do Senado também informou que, dependendo dos resultados, serão abertos inquéritos administrativos e, se alguma apuração envolver senadores, o caso será encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que é o foro no qual podem ser investigados parlamentares.

Atos secretos

Sarney é suspeito de autorizar os chamados atos secretos na Mesa Diretora do Senado para uma série de contratações, inclusive de parentes, conforme reportagens publicadas pelo jornal "O Estado de S. Paulo".

Conforme a primeira de uma série de reportagens publicadas sobre o assunto, um levantamento feito por técnicos do Senado, a pedido da Primeira-Secretaria, detectou cerca de 300 decisões que não foram publicadas, muitas delas adotadas há mais de 10 anos. Os atos administrativos "secretos" foram usados para nomear parentes, amigos, criar cargos e aumentar salários

Leia também:

Leia mais sobre: Senado  - Sarney

    Leia tudo sobre: investigaçãosarneysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG