BRASÍLIA - A comissão de sindicância da Câmara responsável por investigar a farra das passagens aéreas na Casa inocentou nesta quarta-feira os deputados Eugênio Rabelo (PP-CE) e Paulo Roberto (PTB-RS) de participação na venda de bilhetes aéreos a terceiros usando a cota exclusiva dos parlamentares.

Apesar de não encontrarem indícios de participação dos parlamentares na venda de bilhetes, o deputado Marcelo Ortiz (PV-SP), relator do processo contra Paulo Roberto, recomendou a abertura de processo no Conselho de Ética contra o parlamentar gaúcho por suspeita de contratação irregular de servidores. Ortiz avalia que existem indícios de que Paulo Roberto empregou dois funcionários-fantasma (filhos de seu ex-chefe de gabinete ) em seu gabinete.

Leia tudo no Congresso em Foco

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.