Comissão do Código Florestal bate-boca em reunião

Terminou em bate-boca, esta tarde, a reunião de instalação da comissão especial criada na Câmara para analisar o Código Florestal. Na reunião, seriam eleitos o presidente e os vice-presidentes da comissão e escolhido o relator da proposta.

Agência Estado |

Os deputados Ivan Valente (SP), líder do PSOL, e José Genoino (PT-SP) acusaram os parlamentares ruralistas de promoverem um golpe para garantir os principais cargos da comissão e protestaram contra a formação da chapa, que não levou em conta as representações do PT, do PSB e do PSOL.

Valente tentou se pronunciar usando a prerrogativa de líder, mas o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), integrante da bancada ruralista que presidia a sessão, não permitiu. Aí teve início o bate-boca. "Vocês estão querendo transformar isso aqui em um fazendão", gritou Genoino.

"O governo está querendo vender o Brasil para os estrangeiros", retrucou o deputado Luiz Carlos Heinze (PP-RS), da bancada ruralista. A reunião foi interrompida sem a conclusão da votação. "Houve gritos dos dois lados", resumiu Colatto. Os dois deputados indicados para comandar a comissão integram a bancada ruralista: Moacir Micheletto (PMDB-PR) para presidente e Homero Pereira (PR-MT) para relator do projeto.

Genoino reclamou que os ruralistas queriam eleger o presidente e também o relator, excluindo a segunda maior bancada da Câmara, que é o PT. "Não houve consulta a cinco partidos - PT, PV, PCdoB, PSOL e PSB para compor os cargos da comissão especial", protestou Valente, completando: "Foi uma violência. Vai haver muita tensão nesta comissão. Só tem ruralista da pesada."

Segundo integrantes da comissão, faltou jogo de cintura aos ruralistas ao montarem uma chapa sem consultar outros partidos. Incluíram o deputado Sarney Filho (PV-MA) como terceiro vice sem ouvir o próprio PV, por exemplo. Genoino e Valente reclamaram mais tarde também no plenário da Câmara.

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), informou que vai se reunir com os indicados para os cargos em busca de um entendimento. Novo confronto está previsto para amanhã de manhã, quando a comissão especial se reunirá mais uma vez.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG