Comerciante de Salvador é preso suspeito de racismo

Empresário de 53 anos teria agredido vendedora de acarajé com termos como "vagabunda" e "negrinha"

AE |

selo

O empresário Ângelo Raphael Lancellotti Neto, de 53 anos, proprietário da barraca de praia Azul Marinho, do bairro de Stella Maris, em Salvador (BA), está detido na 12ª Delegacia, suspeito de racismo e agressão contra uma vendedora de acarajé.

Segundo Marilene Pereira dos Santos, de 28 anos, o empresário teria ficado irritado ao vê-la vendendo os quitutes a clientes da barraca, na última quinta-feira. Ao cobrar satisfações, Ângelo a teria empurrado da escadaria do estabelecimento, na direção da areia, e a ofendido com termos como "vagabunda" e "negrinha".

O delegado Jorge Brás Coutinho, à frente do caso, informa que o empresário vai responder por lesão corporal e injúria racial, com penas previstas de um a três anos de reclusão. De acordo com Coutinho, Ângelo continuará detido até que a Justiça se pronuncie sobre o caso.

Na delegacia, o empresário confirmou o desentendimento com Marilene, mas apontou os funcionários da barraca, na maioria negros, como prova de que não tem preconceito racial. O estabelecimento funciona há 18 anos. De acordo com o testemunho de Neto, a discussão foi causada pelo fato de a vendedora sujar as instalações da barraca e a areia da praia.

    Leia tudo sobre: racismoagressãosalvador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG