Começa em SP depoimento de pedreiro no caso Isabella

O juiz do 2º Tribunal do Júri de São Paulo, Maurício Fossen, começou a ouvir hoje à tarde o pedreiro Gabriel Santos Neto, testemunha de defesa do caso da morte de Isabella de Oliveira Nardoni. Ele foi fonte para uma reportagem sobre um arrombamento em uma casa nos fundos do Residencial London, prédio onde a menina foi assassinada no dia 29 de março.

Agência Estado |

Depois, em depoimento à polícia, Santos negou a informação.

A defesa dos acusados pelo crime, Anna Carolina Jatobá e Alexandre Nardoni, madrasta e pai de Isabella, quer saber agora por que Gabriel mudou sua versão. "Na fita ele diz expressamente que havia uma porta arrombada", afirmou o advogado do casal, Marco Polo Levorin, ao chegar ao Fórum de Santana, na zona norte da capital paulista, para acompanhar os depoimentos. "Queremos saber porque houve essa modificação no depoimento", disse.

Será ouvida ainda hoje Christiane de Brito que, segundo Levorin, ouviu barulho em uma casa nos fundos do prédio onde aconteceu o assassinato, o que poderia indicar o arrombamento. Falará também à Justiça Jéferson Sriche, vizinho do casal e morador do London. Ele é uma testemunha do Juízo, ou seja, indicada por Fossen para depor.

Jéferson teria conversado com o filho de três anos de Alexandre e Anna Carolina na noite do crime. A criança teria dito que ninguém invadira o apartamento da família Nardoni, o que contradiz a versão dos pais. O advogado de defesa do casal afirmou não temer o depoimento. "Queremos verificar em que circunstâncias isso (a conversa) aconteceu. Vamos ver o que a testemunha tem a informar."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG