RIO DE JANEIRO - O Comando Militar do Leste (CML) estuda a possibilidade de fazer a reconstituição do episódio que terminou com o assassinato de três jovens do Morro da Providência, no último dia 14. O procedimento é praxe em Inquéritos Policiais Militares (IPMs), mas, devido à repercussão do caso, o Exército quer avaliar os prós e os contras para só depois definir uma data.

A maior preocupação é com a integridade física dos 11 militares indiciados na semana passada pela morte dos rapazes e do efetivo que teria de ser deslocado para dar segurança aos responsáveis pela investigação.

O primeiro entrave estaria nos ânimos dos moradores da Providência, que desde a morte dos jovens por traficantes de morro rival se opõe à permanência das tropas. Para iniciar a simulação seria preciso evacuar a Praça Américo Brum, um dos locais mais movimentados. Ali, Wellington Gonzaga Costa, de 19 anos, Marcos Paulo da Silva Correia, de 17, e David Wilson Florêncio da Silva, de 24, foram detidos - mais tarde foram entregues a traficantes do Morro da Mineira, na zona norte.

"Seria algo inviável", avaliou o advogado João Carlos Figueiredo Rocha, que defende o segundo-tenente Vinícius Ghidetti, apontado como líder do grupo que entregou os rapazes aos traficantes da Mineira. "A reconstituição seria positiva para o meu cliente, mas, nas condições em que as coisas estão, já avisei que ele não vai. Seríamos recebidos com granadas."

Outra dificuldade seria simular a entrega dos jovens aos traficantes. A Mineira é dominada pela facção Amigos dos Amigos (ADA) enquanto a Providência está sob o Comando Vermelho (CV). Na avaliação de fontes ligadas à investigação, seria preciso a intervenção de homens do Batalhão da Operações Policiais Especiais (Bope) para entrar na favela. Ainda que isso fosse viabilizado, poderia haver depois retaliações do tráfico local tanto aos militares quanto aos moradores da Providência. O capitão Fábio Peçanha, um dos encarregados do IPM, disse que é cedo falar em reconstituição.

Permanência

Pelo segundo dia consecutivo desde a decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio e Espírito Santo) de limitar a atuação do Exército na Providência, militares continuaram ontem espalhados por diferentes pontos da favela. Além do trecho de 100 metros da Rua Barão da Gamboa onde ocorrem as obras do Projeto Cimento Social, o Estado avistou homens nas imediações do conjunto habitacional da Vila Portuária, vizinho à favela, e na capela do Cruzeiro.

No entendimento do defensor público da União André Ordacgy, autor da ação civil pública que pedia a retirada imediata das tropas, o despacho do TRF2 permite ao Exército ficar no morro até quinta-feira, quando o governo federal terá de apresentar solução definitiva.

Em nota, o CML diz ter determinado "a redução dos efetivos na região de 200 para 60 militares", e que a permanência das tropas na favela fica "restrita à região do canteiro de obras e às áreas absolutamente necessárias à execução das atividades administrativas e ao estabelecimento da segurança do pessoal, material e equipamentos utilizados nas obras, bem como na sua fiscalização".

O caso

AE/Marcos DPaula
Policiais do Exército e moradores em confronto
Marcos Paulo da Silva, de 17 anos, Wellington Gonzaga Costa, 19, e David Wilson Florença da Silva, 24, moradores do Morro da Providência, na Zona Portuária do Rio, teriam sido entregues no sábado, dia 14, e mortos, menos de 12 horas depois, por traficantes do Morro da Mineira, no Catumbi.

Em depoimento ao titular da 4ª Delegacia de Polícia, delegado Ricardo Dominguez, alguns dos suspeitos teriam confessado o crime. Os jovens foram detidos pelos militares às 7h30 do sábado, quando voltavam de táxi de um baile funk, por desacato. Porém, o comandante da tropa determinou que eles fossem liberados após serem ouvidos.

Testemunhas afirmam que os rapazes ficaram sob o poder dos militares até as 11h30 e depois foram entregues a traficantes de uma facção rival a do Morro da Providência, onde os rapazes moravam, no Morro da Mineira, onde foram executados. Há denúncias de que as vítimas teriam sido vendidas por R$ 60 mil.

De acordo com o laudo do Instituto Médico Legal (IML), Wellington teve as mãos amarradas e o corpo perfurado por vários tiros. David teve um dos braços quase decepado e também foi baleado. Marcos Paulo morreu com um tiro no peito e foi arrastado pela favela com as pernas amarradas. Os corpos foram encontrados no lixão de Gramacho, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Na segunda-feira, após o enterro dos três jovens, moradores do Morro da Providência protestaram em frente à sede do Comando Militar do Leste (CML). Durante a manifestação, policiais do Exército entraram em confronto com os moradores, atirando bombas de efeito moral.

Força Nacional

A Força Nacional de Segurança Pública foi criada em junho de 2004 pelo Ministério da Justiça, para atuar nos Estados em situações emergenciais. Ela é comandada pela Secretaria Nacional de Segurança e reúne os melhores policiais dos Estados e da Polícia Federal.

Os integrantes da tropa, porém, não deixam de atuar nas instituições de origem. Após um treinamento de duas semanas, os policiais retornam para trabalhar em seus Estados e permanecem em prontidão para uma possível convocação. Depois de encerradas as operações especiais, são dispensados e voltam aos seus Estados.

*Com informações da Agência Brasil e Estado

Leia também:

Leia mais sobre: violência no Rio

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.