O capitão do barco Comandante Sales, que naufragou superlotado no dia 4 de maio do ano passado no Rio Solimões, matando 48 dos mais de 100 passageiros, vai a júri popular no dia 15 de abril. Luís Sales da Silva, de 43 anos, será o primeiro condutor de barco responsabilizado por um acidente a ser julgado dessa forma no País.

O mesmo não aconteceu em outros casos rumorosos, como, o do Bateau Mouche, no Rio, há 20 anos.

O barco tinha mais de 100 passageiros, 55 pessoas morreram e até hoje as ações indenizatórias se arrastam na Justiça. “Pode-se argumentar que não há fiscalização nos portos, que seria papel do governo do Estado. E que é insuficiente a fiscalização nos rios, feita pela Capitania dos Portos. Mas o fato é que o condutor do barco estava alcoolizado e em um barco com irregularidades”, defende o juiz Luís Cláudio Chaves.

O julgamento será em Manacapuru, a 60 km de Manaus, onde ocorreu o acidente. Sete moradores foram sorteados para compor o júri. Silva teve a prisão preventiva decretada dez dias após o acidente, mas responde ao processo em liberdade por ser primário. Em depoimento, ele disse que bebeu “duas latinhas de cerveja” enquanto guiava o barco. Segundo a Capitania dos Portos da Amazônia, a embarcação estava irregular. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.