Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Comandante da PM diz que pode não ter ocorrido tiro antes da invasão

SANTO ANDRÉ - Após três horas de depoimento nesta quinta-feira, o comandante da Tropa de Choque de São Paulo, coronel Eduardo Félix, afirmou que o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) só invadiu o apartamento onde as jovens Eloá Cristina e Nayara da Silva eram mantidas reféns por Lindemberg Alves após ser identificado um primeiro disparo dentro do local.

Redação com Agência Estado |

Acordo Ortográfico

No entanto, ao ser questionado se a equipe do Gate pode ter confundido o disparo por arma de fogo com outro tipo de barulho, ele respondeu que sim. "Sim, pode ter ocorrido uma confusão, mas somente a perícia poderá revelar essa questão", afirmou Félix.

O depoimento foi concedido ao delegado Sérgio Luditza, do 6º DP de Santo André, no ABC paulista. Durante seu relato, Félix afirmou que não Nayara, assim como seu comandados, pode ter se confundido em relação à ordem dos disparos dentro do apartamento de Eloá.

A adolescente, que ontem deixou o Centro Hospitalar de Santo André, relatou que não ouviu nenhum tiro antes da invasão da PM, o que colocaria em xeque a versão dos oficiais do Gate.

Apesar da contradição entre os depoimentos, Félix lembrou que Nayara é a principal testemunha do caso.

O delegado Sérgio Luditza ainda ouvirá nesta quinta-feira o depoimento do tenente Paulo Sérgio Schiavo, oficial que liderou a invasão ao apartamento.

Segundo a secretaria, não estão marcados outros depoimentos para esta quinta-feira.

Veja entrevista da polícia sobre depoimento de Nayara

 

Nayara diz que não ouviu tiros

Nayara Rodrigues da Silva, de 15 anos, em depoimento à polícia na quarta-feira, disse que não ocorreram disparos antes da invasão ao apartamento. Ela disse que assistia à televisão, quando ouviu a explosão.

Segundo o delegado seccional de Santo André, Luiz Carlos dos Santos, responsável pelo depoimento, a adolescente relatou que Lindemberg disparou um tiro no teto do apartamento às 15h e, um segundo, às 16h. Ela, disse Santos, garantiu que não houve um disparo antes da invasão dos policiais.

De acordo com Santos, Nayara afirmou que após a explosão da porta do apartamento, puxou um cobertor para a cabeça e não viu nada, apenas ouviu os dois tiros na direção de Eloá. Dali para frente, ela relatou que não ouviu mais nada e não lembra o que ocorreu na sequência.

Em entrevista coletiva, logo após o depoimento de Nayara, o coronel Félix reafirmou que houve um disparo antes. Ele disse que a jovem "não está mentindo. Ela está confusa".

Veja a retrospectiva do caso

 

Leia também:

Leia tudo sobre: santo andré

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG