Com trégua da chuva, queima de fogos em Copacabana recebe 2009

RIO DE JANEIRO (RJ) - A queima de fogos na praia de Copacabana, localizada da zona sul do Rio de Janeiro (RJ), durou cerca de 20 minutos. Cariocas e turistas ganharam uma trégua da chuva e presenciaram uma bela festa dos fogos de artifício. O espetáculo, formado por 20 toneladas de fogos, iluminou toda a orla de Copacabana. Segundo números dor organizadores da festa, cerca de 2 milhões acompanham os shows na praia.

Brunno Braga, especial para o Último Segundo |

Durante a queima de fogos, as chamadas "bombas filhotes" prenderam a atenção do público presente. Finalizado o espetáculo pirotécnico, 2009 foi  recebido com um salva de palmas pela multidão.

O número recorde de público, segundo os organizadores, ocorre devido à concentração de cariocas e turistas em Copacabana, já que as festas "concorrentes", como Ipanema e no Aterro do Flamengo, não foram realizadas neste ano.

Alem da tradicional queima de fogos, o público presente pode presenciar as apresentações de músicos populares das baterias das Escolas de Samba Beija-Flor e Salgueiro. A estrutura montada pela organização do evento permitiu acompanhar os shows por toda a extensão da praia. Foram colocados seis telões e 24 torres de som.

Torre de Babel

Italianos, americanos, japoneses e turistas de outras nacionalidades fazem da praia de Copacabana uma autêntica Torre de Babel. Luigi Policastro, veio de Nápoles com amigos para passar o réveillon na cidade. Essa é a segunda vez que venho e desta vez resolvi trazer minha namorada e um casal de amigos, disse o turista que já comemorou a virada do ano de seu país com goles de champagne.

A americana Tricia Copher, que revela ser novata em viradas de ano no País, disse que sua escolher o Rio para fugir do inverno no hemisfério norte. Resolvi sair do frio de Nova York para curtir o calor dos brasileiros. Ano que vem estarei de volta. 

A turista mineira Larissa Carvalho, que veio ao Rio pela terceira oportunidade para acompanhar o réveillon, elogia a segurança da festa. Nesse ano a polícia está mais presente e não vi nenhum problema.

Mas logo após a declaração de Larissa, um dos postos médicos espalhados pela orla de Copacaba registrou a primeira ocorrência mais grave. O jovem Rafael Leite, 16 anos, foi baleado durante a queima de fogos. As primeiras informações indicam que ele foi atingido por uma bala perdida. Rafael foi encaminhado ao Hospital Municipal Miguel Couto, no bairro do Leblon, zona Sul do Rio de Janeiro. 

Problemas

A falta de banheiros químicos foi uma reclamação recorrente. Esperando pela vez na fila, a carioca Marta Vasconcelos, reclamava reclama do descaso da organização do evento. Não é possível que numa festa para 2 milhões de pessoas eles coloquem tão poucos banheiros. Por outro lado, alguns homens preferiam não esperar na fila, deixavam os bons costumes de lado para urinar nos muros dos prédios em frente à orla.

Oferendas

A tradição de depositar flores no mar em homenagem à Iemanjá, a rainha dos mares segundo o Candomblé, foi repetida nesta virada de ano. A dona de casa Sandra dos Santos saiu de Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense, para realizar o ritual, que ela repete há 20 anos. "Ela (Iemanjá) sempre ajuda a mim e a minha família. Essa homenagem é como se fosse um agradecimento", disse Sandra.

AE
Religiosos presentes à praia de Copacabana
Religiosos presentes à praia de Copacabana para fazer oferendas

    Leia tudo sobre: copacabana

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG