Com mais três mortes, sobe para 50 o número de vítimas fatais da dengue

Rio de Janeiro - A Secretaria municipal de Saúde do Rio de Janeiro cinfirmou hoje (11) mais duas mortes por dengue na cidade. Um homem de 76 anos, morador do Bairro de Fátima, e uma menina de 8 meses, de Realengo. Na noite desta quinta-feira (10) foi confirmada a morte de uma menina de 6 anos em Senador Câmara. Com essas mortes, o número de vítimas fatais por causa da dengue no município sobe para 50.

Agência Brasil |

Nesta sexta-feira, a Justiça estendeu por 72 horas o prazo para que todos os postos de saúde do município funcionem 24 horas por dia, inclusive nos finais de semana, para atender as pessoas com suspeita de dengue.

De acordo com a determinação da juíza Regina Coeli de Carvalho, feita no dia 2, todas as unidades tinham até esta sexta-feira para se adequarem ao pedido da Defensoria Pública da União. Caso a determinação não fosse cumprida, os secretários de Saúde do município e do estado, e o representante do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro seriam multados em R$ 10 mil.

O autor da ação, defensor público André Ordacgy, disse que o objetivo da ação é reverter o quadro da saúde no Rio.

"O sistema público de saúde no Rio de Janeiro está completamente caótico. Está tudo invertido. Como seria o sistema perfeito? A porta de entrada do cidadão nesse sistema deveria ser pelos postos de saúde; em casos de maior gravidade, iria para centros de referência e dali para as emergências dos hospitais. Hoje está tudo invertido. O cidadão não tem atendimento adequado nos postos de saúde e ele vai direto para as emergências dos hospitais. Isso acarreta a superlotação e, obviamente, a impossibilidade de atendimento. Não é possível que em plena epidemia de dengue, o cidadão não tenha os postos de saúde funcionando 24 horas por dia. Essa ação objetivou justamente corrigir essa falha no sistema de saúde", explicou.

O prefeito César Maia anunciou por e-mail que irá cumprir a decisão. "Na forma da liminar com apoio das três instâncias de governo. Decisão da justiça se cumpre", declarou.

César Maia confirmou que alguns postos não abrem por questão de segurança, mas enfatizou que se refere ao período da noite. "Mas o que eu falei é do período da noite, pois com a presença dos traficantes os funcionários não comparecem", disse.

O governador Sérgio Cabral declarou na manhã desta sexta-feira, durante a inauguração de 11 leitos de UTI pediátrica, em São Gonçalo, na Baixada Fluminense, que o prefeito nunca procurou o governo para pedir reforço na segurança dos postos de saúde localizados em área de risco. No e-mail, o prefeito respondeu ao gobvernador.

"Ele está mais uma vez mal informado. Quem solicitou apoio foi o sindicato dos médicos e o secretário de Segurança negou. Ágata [assessora de imprensa do prefeito] tem cópia", afirmou.

Ainda nesta sexta-feira, durante uma reunião com autoridades do estado para discutir o combate à dengue, o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, disse que acredita no apoio da Secretaria estadual de Segurança, caso a Prefeitura procure sua ajuda para manter os postos localizados em áreas de risco abertos durante 24 horas.



    Leia tudo sobre: dengue

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG