Coincidência de fatores gerou chuvas em Santa Catarina

FLORIANÓPOLIS - As fortes chuvas que afetaram o Estado de Santa Catarina foram geradas pelo encontro de duas massas de ar: uma fria vinda do oceano e outra quente formada no continente. Além disso, ventos intensos soprando do mar aumentaram a umidade das nuvens, que já estavam carregadas. Um sistema de baixa pressão também já causava mau tempo e intensificou as chuvas.

Samanta Dias, repórter do Último Segundo |

Acordo Ortográfico

Para a meteorologista Patrícia Madeira, da Climatempo, todos esses fatores surgiram coincidentemente no mesmo momento, ocasionando as chuvas que atingem Santa Catarina nos últimos dias. A tendência das chuvas é diminuir. Hoje já estavam menos intensas, amanhã teremos apenas chuva fraca, mas na quinta o sistema ganha força novamente, afirmou Patrícia. A meteorologista ainda disse que chuvas intensas como as dos últimos dias não devem se repetir até o final deste ano na região. 

Segundo Maria Elisa Siqueira da Silva, professora de climatologia da Universidade de São Paulo (USP), o sistema que causou as chuvas em Santa Catarina ficou estacionado na região, provocando a convergência das precipitações no Estado. Para a professora, a permanência do sistema sobre o Atlântico Sul, sem movimentação, foi o fator de maior agrave para intensidade das chuvas.

O Estado de Santa Catarina tem um relevo elevado, montanhoso, o que pode ter contribuído para o aumento da umidade. O relevo de maior altitude provoca a ascensão do ar, carregando a umidade para as nuvens, comenta Maria Elisa. Ela também afirma que regiões de encosta são naturalmente desprivilegiadas com chuva forte, já que o solo encharca e tende a ceder.

As pessoas e os órgãos de planejamento dão pouca importância para as pessoas que estão nas encostas, não há planejamentos para a ocupação dessas áreas, diz a professora.

Ela também lembra que os vales são um tipo de relevo que favorece alagamentos. A região de vale é mais propensa aos alagamentos se não houver um plano de escoamento de água. Nas cidades localizadas nessas regiões, é interessante que a sociedade, os políticos, se organizem para melhorar o planejamento sobre escoamento das águas, aconselha. Além disso, Maria Elisa lembra que a pavimentação das ruas das cidades impede a penetração da água nos solo, o que já contribui para as enchentes. 

A professora ressalta, no entanto, que o relevo não justifica, sozinho, as chuvas intensas que tem provocado estragos em Santa Catarina. De acordo com a Climatempo, Florianópolis registrou 550 milímetros de chuva, quando a média para este período do ano é de 130. Em Indaial, no Vale do Itajaí, foram 520 milímetros, a média é de 120.

Entre as 10h da manhã do domingo (23) e as 10h da segunda (24) foram registrados 105 milímetros na cidade de Indaial. Um volume de chuvas muito grande, para um curto período de tempo, afirmou a meteorologista Patrícia Madeira.   

A partir desta terça-feira, especialistas do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da USP começam a realizar estudos e avaliações nos solos do Estado, principalmente no Vale do Itajaí.

Leia também:

Leia mais sobre: Santa Catarina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG