Código de Trânsito faz 11 anos, mas ainda precisa de adequações, indica Denatran

BRASÍLIA - Em 11 anos de vigência do Código de Trânsito Brasileiro, comemorado na última quinta-feira, a legislação tem proporcionado mudanças positivas para os Detrans do País. É o que afirma o presidente do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Alfredo Peres do Nascimento. Entretanto, ele ressalta também a necessidade de algumas adequações no sistema.

Agência Brasil |

    O código é um dos mais completos em termos de legislação e trouxe inúmeras exigências de aprimoramento para vários órgãos de trânsito estaduais", disse. Temos quase 10% por ano de veículos sendo agregados à circulação. É claro que se tem que ter um esforço muito grande para continuar mantendo os níveis de acidente nos níveis atuais e principalmente reduzindo. É um trabalho sempre contínuo, completou.

    Nos últimos anos a quantidade de carros nas ruas vem crescendo significativamente. Em entrevista ao programa "Revista Brasil" da Rádio Nacional, o presidente do Denatran lembrou que o Brasil conta com uma frota em torno de 45 milhões de automóveis. Sendo que anualmente são produzidos mais de três milhões de veículos e quase dois milhões de motocicletas no País.

    Com isso, para garantir a segurança nas estradas, a instituição adotou medidas de conscientização, principalmente nas escolas. Nós temos um capítulo inteiro do código que trata da educação. Regulamentamos o que o código já previa, a chamada Escola Pública de Trânsito com a função de levar o assunto para dentro das escolas. Desenvolvemos todo o material educacional que foi distribuído para as escolas de ensino médio.

    Outra providência foi disponibilizar ao estudante do ensino médio a oportunidade de assistir na escola a 90 horas de aulas teóricas sobre a legislação de trânsito, equivalentes às das auto-escola. Esse aluno, quando tiver a idade para se habilitar ele fará apenas o exame teórico e caso passe ele começará direto nas aulas práticas, explicou Nascimento.

    Ele frisou também que o Denatran vem adotando medidas referentes à saúde do motorista. Uma delas é o tratamento para a doença do sono. Alguns postos de saúde já disponibilizam o exame, mas por enquanto somente os condutores que têm habilitação C , D e E são obrigados a fazê-lo. Há uma ideia de se fazer o exame do sono em todos os condutores. Mas, é um exame caro. O próprio sistema de saúde está se preparando para isso, disse.

    Leia mais sobre: Código de Trânsito

      Leia tudo sobre: transito

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG