CNJ adia decisão sobre processo contra De Sanctis

O corregedor nacional de Justiça, Gilson Dipp, decidiu hoje adiar o julgamento de um recurso em que é pedida a abertura de um procedimento administrativo disciplinar contra o juiz da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Fausto De Sanctis, que decretou as prisões na Operação Satiagraha, da Polícia Federal (PF). O recurso é movido pelo deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE), que anteriormente teve o pedido negado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Agência Estado |

O julgamento estava previsto para ter ocorrido hoje, mas Dipp resolveu adiá-lo sob alegação de que prefere esperar o retorno do presidente do CNJ, Gilmar Mendes, que volta amanhã para Brasília. Nos últimos dias, Mendes esteve em uma viagem oficial pela Alemanha. É provável que o pedido seja analisado na próxima sessão do CNJ, prevista para dia 2 de dezembro.

"Prefiro relatar quando estiver na minha bancada", afirmou Dipp, que hoje, por causa da ausência de Mendes, presidiu o CNJ. Em um eventual procedimento administrativo, o conselho analisaria se De Sanctis repassou ou não a policiais federais senhas que dão acesso irrestrito a cadastros e históricos de ligações telefônicas. Deflagrada no dia 8 de julho, a Satiagraha chegou a prender o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito da capital paulista Celso Pitta, entre outros.

Veja também:

  • Fala de Protógenes amplia suspeita de grampo no STF
  • Polícia Federal refaz todo o inquérito da Satiagraha, diz Tarso
  • Protógenes violou senhas para Abin fazer grampo, diz PF
  • Defesa de Protógenes pede cópia de inquérito
  • Hotel no centro de SP foi usado para Operação Satiagraha
  • Punição exagerada pode desestimular grandes operações
  • Leia mais sobre: Operação Satiagraha

      Leia tudo sobre: operação satiagraha

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG