CNBB nega que fez acordo com senadora para aprovar lei contra homofobia

Matéria divulgada nesta quarta-feira diz que Marta fez concessão a segmentos religiosos para aprovar lei que torna homofobia crime

iG São Paulo |

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) negou que fez acordo com a senadora Marta Suplicy (PT-SP), relatora do projeto que criminaliza a homofobia.

Matéria divulgada nesta quarta-feira pela Folha de S.Paulo diz que Marta fez concessões aos segmentos religiosos para tentar aprovar lei que torna homofobia crime.

“A presidência da CNBB não fez acordo com a senadora, conforme noticiou parte da
Imprensa”, diz nota da entidade.

Veja confusão em votação sobre lei da homofobia

Segundo a reportagem, Marta disse que a lei protegerá os cultos da criminalização:
“não se aplica à manifestação pacífica de pensamento decorrente da fé e da moral fundada na liberdade de consciência, de crença e de religião”. De acordo com a reportagem, a concessão é para tentar aprovar projeto e evitar discordância de evangélicos e católicos.

De acordo com nota da CNBB, a entidade “fez observações, deu sugestões e se comprometeu com a senadora a continuar acompanhando o desenrolar da discussão sobre o projeto”.

Assassinatos de homossexuais : Militantes gays esperam lei que criminaliza homofobia

A CNBB disse ainda que a “Igreja combate todo tipo de discriminação e manifestou, por fim, sua fraterna e permanente disposição para o diálogo e colaboração em tudo o que diz respeito ao bem da pessoa humana”.

    Leia tudo sobre: homofobiacnbbmarta suplicy

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG