CNBB diz que que acordo com Governo não beneficia Igreja Católica

SÃO PAULO - A Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) disse nesta segunda-feira que o acordo assinado entre o governo brasileiro e o Vaticano, que ainda precisa ser ratificado pelo Congresso, não viola a Constituição nem concede privilégios à Igreja Católica.

EFE |

Em nota divulgada hoje, a CNBB chamou de "desinformados" os que criticam o convênio. Disse ainda que, "longe de ferir a Constituição, (o acordo) ratifica uma relação que sempre existiu e, inclusive, abre perspectivas para outras religiões no país".

O tratado, assinado durante a visita que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez ao papa Bento XVI em novembro do ano passado, "não concede privilégios extraordinários à Igreja Católica", destaca o comunicado da CNBB.

A previsão é que o acordo entre a Igreja Católica e o Estado brasileiro seja discutido nos próximos dias no plenário da Câmara dos Deputados. Só depois, o texto será apreciado pelo Senado.

Organizações de ateus e membros de outras congregações religiosas criticaram o convênio. Para eles, o tratado concederá privilégios inconstitucionais à Igreja Católica.

Em nota, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) disse que o acordo "implicará em grave retrocesso ao exercício das liberdades e à efetividade da pluralidade enquanto princípio fundamental do Estado".

"Rogamos que as autoridades legislativas atuem nesta questão com rigorosa conduta constitucional", acrescenta o comunicado da AMB.

    Leia tudo sobre: igreja

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG