Ciro aposta em desistência de Serra ao Planalto

O deputado Ciro Gomes (PSB) acha que o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), desistirá da disputa presidencial. Ciro estabeleceu o dia 2 de abril como a data a partir da qual a disputa pela sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva começará a ser definida.

Agência Estado |

"O Serra vai ter que mostrar a carta. Vai renunciar o governo de São Paulo ou não. Eu acho que ele vai correr da briga. Acho que ele vai disputar o governo de São Paulo", previu Ciro durante entrevista de uma hora hoje na rádio cearense AM do Povo/CBN.

Ainda segundo Ciro, com Serra fora do páreo, o PSDB vai procurar o governador de Minas Gerais, Aécio Neves. Desenhando várias implicações num cenário com o mineiro candidato ao Planalto, Ciro afirmou: "Aí barata voa. Geral". Para ele, Aécio convidaria o PMDB para ocupar o governo de Minas, com o atual ministro (das Comunicações) Hélio Costa. "O PMDB, que não é essa firmeza toda, pode deixar a Dilma conversando só", analisa o socialista.

Outra consequência apontada por Ciro com Aécio candidato seria no dilema enfrentado por ele, que é o de escolher entre disputar o governo paulista ou a Presidência da República. "Aí inverte. O PT, que está doido para eu ser candidato a governador de São Paulo, vai pedir para eu ser candidato a presidente, porque o Aécio vira imediatamente o favorito. Isso porque se ele for (candidato a presidente) vai ser com o apoio do Serra. Ganha em São Paulo. Tira 70% de Minas. Entra melhor no Rio de Janeiro do que o Serra. O Sul está hostil para nós (base aliada do Lula). O Centro-Oeste está um pouco hostil para nós. E o Nordeste não tem voto suficiente para tirar seis milhões de votos de maioria, que essa maioria do Sudeste e do Sul sempre foi", analisou Ciro.

Outra implicação seria o tucano mineiro convidá-lo para vice, o que Ciro disse não aceitar. "O Aécio, que é muito meu amigo vai me convidar para vice. Vou dizer: meu irmão, eu não posso. Sou candidato a presidente", descartou. Ciro e Aécio, que têm conversado frequentemente, vão se encontrar mais uma vez no dia 4 de março, em Minas Gerais, nos festejos do centenário de nascimento do ex-presidente Tancredo Neves, avô do governador mineiro.

Falso plebiscito

Ainda durante a entrevista, Ciro condenou duramente a aliança do PT com o PMDB como forma de questionar a tese de eleições plebiscitárias."Se o grande debate seria a disputa da turma do Lula contra a do Fernando Henrique, o PMDB (está) nas duas (gestões). Aí tem alguma coisa errada. É um plebiscito falso", criticou.

Sobre a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata petista, Ciro elogiou, reconheceu que ela é "uma mulher de grande valor" e que votaria nela em outras circunstâncias.

"Apenas eu tenho mais valor do que ela, hoje", disse, referindo-se ao que chama de falta de experiência da ministra em disputas eleitorais. "Eu tenho 20 eleições. Ela não tem nenhuma", afirmou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG